O volante Fahel teve passagem discretíssima pelo Atlético em 2008, mas pode causar prejuízo de proporções bem maiores aos cofres rubro-negros. O jogador, atualmente no Botafogo, reclama judicialmente do Furacão quase R$ 10 milhões. A audiência de conciliação realizada ontem, na 21.ª Vara do Trabalho de Curitiba, não resultou em acordo.

A maior parte do valor – R$ 9,75 milhões refere-se à cláusula penal (comumente chamada multa rescisória) pelo rompimento antecipado do contrato do jogador. O advogado de Fahel, Dyego Carlo Tavares, entende que o clube deve pagar pela rescisão do contrato, da mesma forma como receberia o valor caso vendesse o atleta a outra equipe.

“E a multa prevista no contrato do Fahel era alta. Além disso, cumpriu apenas dois meses do acordo”, explica o defensor, referindo-se à norma que reduz gradativamente a multa à medida que o contrato se aproxima do fim.

O jogador cobra ainda cerca de R$ 120 mil em direitos trabalhistas: diferenças de férias, 13.´ salário, Fundo de Garantia, direito de imagem e diferenças de 15% sobre direito de arena.

Fahel assinou contrato com o Atlético em abril de 2008, e foi dispensado no início de julho do mesmo ano. Logo em seguida, acertou com o Goiás. Ele atuou apenas três partidas com a camisa rubro-negra. Na única em que foi titular, contra o Grêmio, acabou expulso.

A reportagem não obteve contato com o advogado do Furacão no caso, Diogo Fadel Braz. Outro ex-jogador atleticano que acionou o clube é o volante Cristian, ex-Corinthians e atualmente no Fenerbahçe, da Turquia. O processo está na 18.ª Vara do Trabalho de Curitiba.