Arquivo
Fábio Costa move processo contra seu próprio time. Leão o dispensou quando era técnico do Santos.

São Paulo  (AE) –  O goleiro Fábio Costa move uma ação trabalhista contra o Santos – clube que defende atualmente – desde o início de 2004, quando começou a jogar pelo Corinthians.

Na época, o goleiro acusou os dirigentes da Vila Belmiro de não terem pago parte dos direitos de imagem que deviam a ele, abono de férias, de não assinarem a guia para a liberação do seu Fundo de Garantia, além de terem retido a sua carteira de trabalho.

Como na volta de Fábio Costa ao Santos o assunto não teria entrado na pauta de negociações, o processo segue na Justiça. O presidente do clube, Marcelo Teixeira, não vê nada de grave na situação.

?O processo se refere ao desligamento de Fábio Costa do clube no final de 2003, por decisão da comissão técnica (leia-se Leão)?, diz o dirigente.

Ele se justifica informando que, ao assinar contrato no seu retorno à Vila Belmiro, teria sido colocada uma cláusula no documento que prevê o acordo. ?Há direitos que estão sendo discutidos. No momento certo haverá o acerto?, emenda.

A confirmação da existência do processo é mais um motivo para problemas entre o goleiro e os torcedores santistas.

No jogo remarcado de 13 de outubro do ano passado pelo Brasileirão, quando o Corinthians venceu o Santos – encerrando um longo jejum e arrancando para a conquista do título -, Fábio Costa fez gestos obscenos para a torcida santista e saiu de campo dizendo que a Vila Belmiro não tinha condições para abrigar clássicos.

Sempre que o Santos não vai bem na Vila Belmiro, Fábio Costa é o primeiro a ser vaiado e hostilizado, como no empate por 1 a 1 com o Fluminense. Nas vezes anteriores, o goleiro se limitava a mandar, nas entrevistas, que os insatisfeitos que ficassem em casa, em vez de irem ao estádio atrapalhar o time.

Mas, após o jogo com o Fluminense, as ofensas de alguns torcedores e a reação de Fábio Costa, com gestos obscenos, terminaram em pancadaria na saída da Vila e o goleiro teve que ser salvo pelos seguranças.

O curioso é que Fábio Costa passava por um momento de paz e amor com o clube e com os poucos torcedores que têm ido ao estádio, tanto que, nos primeiros dias de setembro, assinou a ficha de sócio do Santos e ao retornar ao clube, comprou um camarote na Vila Belmiro.

Para Teixeira, ele é o maior goleiro do Brasil, tanto que se esforçou para tirá-lo do Corinthians, lhe pagando salário igual ao que lhe dava a misteriosa MSI – cogita-se que seria em torno de R$ 180 mil – e, entre outros benefícios, o goleiro até recebe ajuda de custo de R$ 2 mil, para o aluguel de uma cobertura a uma quadra da praia.