A Força Aérea Brasileira (FAB) confirmou nesta quarta-feira, no Rio, que o aeroporto Santos Dumont deve fechar por um período de até cinco horas durante as regatas de vela dos Jogos Olímpicos do ano que vem. A medida encontra forte resistências nas empresas áreas, que alegam que mais de 100 voos por dia devem ser cancelados.

De acordo com o coronel André Luís Ferreira Grandis, responsável pela comunicação social da Força Aérea nos Jogos Olímpicos, o tempo total de fechamento do Santos Dumont, no centro da cidade, não deve ultrapassar cinco horas. O total diário, entretanto, deve ser definido completamente nos próximos meses.

A interrupção é necessária por causa do helicóptero que fará as transmissões da prova e também para não alterar as condições ideais para a competição, já que a área de manobra dos aviões fica próxima aos locais de realização dos jogos na Baia da Guanabara.

“O Santos Dumont não vai ficar fechado durante o dia todo. Será um período de quatro a cinco horas durante as competições. A geografia do Rio não tem como fugir disso”, afirmou Grandis.

Há três semanas, as empresas aéreas haviam se posicionado contra a possibilidade. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), a paralisação das operações no aeroporto durante as tardes de 8 a 18 de agosto vai impactar 150 mil passageiros e causará o cancelamento de 104 voos por dia.

De acordo com a Abear, cerca de 70% dos voos que passam pelo Santos Dumont se conectam com aeroportos de São Paulo, Brasília, Belo Horizonte Curitiba, Porto Alegre e Vitória. “Será prejudicial para os passageiros e afetará as companhias aéreas”, diz a entidade.