Desde que a Caixa Econômica Federal parou de patrocinar os clubes de futebol, Athletico, Coritiba e Paraná Clube ainda não conseguiram estampar uma nova marca em suas camisas. E, para alguns especialistas, os times é que são os próprios culpados por essa demora, uma vez que estão com o marketing defasado e a tendência do mercado é que os patrocínios tenham valores mais baixos no futuro.

+ Leia também: Torcedor do Furacão terá que colocar a mão no bolso na Libertadores

“A culpa dessa situação é do marketing de Athletico, Coritiba e Paraná. Especialmente o Athletico, que está muito a frente dos demais. O Mario Celso Petraglia (presidente do Conselho Deliberativo) peca ao não dar importância ao marketing. O departamento do Athletico é muito fraco para o tamanho do ativo do clube”, analisou Amir Somoggi, consultor em marketing esportivo.

Atualmente, o Furacão conta com três patrocínios de menor porte: Uber, Philco e Copacol. Além da Caixa, a Havan também deixou o Furacão. O Coxa possui quatro patrocínios (Pro Tork, RDP Midway e Bourbon), mas nenhum máster. Já o Tricolor está sem parceiros comerciais.

+ Mais na Tribuna: Louzer comemora estreia no Coxa e elogia jogadores

“Os clubes colocam apenas a marca na camisa achando que isso é marketing esportivo. Enchem o uniforme com patrocinadores pequenos. Mas o mercado está dando um recado: ou você melhora a entrega que você dá para o meu patrocínio ou eu não vou te patrocinar. Por isso, muitas empresas migram para setores de mídia social, entretenimento e música”, explicou o consultor.

Em 2018, a Caixa pagou R$ 6 milhões ao Athletico, R$ 5 milhões ao Paraná e outros R$ 3 milhões ao Coritiba. Para Erick Betting, jornalista e consultor esportivo, a tendência é que os clubes não consigam atingir os mesmos valores.

+ Veja mais: Tricolor renova contrato com promessas da base

“A tendência é de um retorno de empresas privadas ao esporte. Mas os valores devem ser mais baixos. Já vemos alguns clubes fechando patrocínios. O Corinthians, clube com grande alcance, tinha um patrocínio com a Caixa de R$ 30 milhões e agora é de R$ 12 milhões no valor fixo com o BMG”, projeta Betting.

Em relação ao tempo em que os clubes paranaenses estão sem anunciante principal, Betting classifica como normal a demora. “Clubes com maior alcance nacional vão fechar os contratos antes”, finaliza o consultor.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!