Agora é oficial. Desde a terça-feira passada, a área onde está o ex-estádio Pinheirão não é mais da Federação Paranaense de Futebol. O tão aguardado registro de imóvel foi concedido para João Destro, empresário da JD Agricultura e Participações, que arrematou o patrimônio em um leilão, em junho, por R$ 57,5 milhões. A FPF tentou na Justiça impedir a confirmação da venda, mas não teve sucesso. No mês passado, a matrícula do local, com a expedição da carta de arrematação, já havia sido oficilizada em nome de Destro.

Assim, a história do Pinheirão se encerra 27 anos após sua inauguração, em 1985. Isto porque, de acordo com Destro, dificilmente um novo estádio será reerguido no local, uma vez que traria pouco retorno financeiro para a empresa. “Tudo é possível, mas vejo pouca possibilidade (construir um novo estádio) porque o futebol é uma atividade por si só, própria para clubes, que vivem de outras rendas, mas não é rentável para empresas que vivem de lucros”, disse, em entrevista à rádio 98 FM.

A chance de o terreno seguir tendo um estádio era se o Coritiba comprasse o local. Porém, como o clube irá reformar o Couto Pereira, reconstruindo a reta da Mauá, não há mais o interesse naquela área. Durante um bom tempo as duas partes mantiveram contatos. A tendência é que um empreendimento, como um shopping ou um condomínio residencial, por exemplo, seja construído.

Quanto à FPF, a entidade agora tenta reaver na Justiça a sua sede, que em maio também foi leiloada, por conta de dívidas com o INSS, e arrematada por pouco mais de R$ 2 milhões pelo grupo de empreendimentos imobiliários AK7.