Durante os últimos dois anos e meio o Atlético tem perambulado por vários estádios do Brasil graças às reformas que a Copa do Mundo exigiu da Arena da Baixada. Se não teve o carinho de grande parte do seu torcedor nesse período, pelo menos uma certeza o elenco tinha: a verdadeira casa, o CT do Caju, estava sempre lá. Mas a mesma Copa do Mundo forçará o Furacão a resgatar o espírito cigano. Desalojado em benefício da seleção da Espanha durante a competição, o Atlético usará a estrutura do CT do Barcelos, localizado no bairro Caiuá.

As categorias de base do clube já treinam no local desde o dia 31 de maio e a partir de amanhã os profissionais retornam de folga. “É uma alegria muito grande para nós. Além de termos uma boa amizade, o melhor é que recebemos por isso também”, brincou Geraldo Barcelos, proprietário. O local já foi utilizado pelo Paraná Clube em várias oportunidades. Agora chegou a vez do Rubro-Negro.

São 75 mil metros quadrados, três campos oficiais no padrão Fifa, campo suíço, vestiários completos, saunas, salão de conferência para preleções e seminários com capacidade de 650 pessoas, refeitório para 160 pessoas, cozinha industrial, piscina e até tanques para pescaria. “Esses são para o pessoal se divertir na folga”, disse
Geraldo.

Inicialmente o acordo prevê a utilização exclusiva do local até o dia 3 de julho, época em que se encerra a primeira fase da Copa do Mundo. Se a Espanha avançar, o acordo é automaticamente renovado, já que as atuais campeãs do mundo vão permanecer no CT do Caju até o final do Mundial. “Não vamos comparar nossa estrutura com o CT do Caju, que pelas suas qualidades tem um padrão mundial. O nosso é pequeno, bonitinho, e atende ao que precisa o Atlético”, concluiu Geraldo.