A Associação Brasileira de Agentes de Futebol (ABAF) ameaça processar o presidente do Santos, Modesto Roma Junior, depois de o dirigente ter afirmado em audiência pública na CPI do Futebol, na última quarta-feira, que os empresários de jogador são “gigolôs” e “cafetões”. A entidade estuda a possibilidade de entrar com uma ação por danos morais.

“Os agentes ficaram indignados e me procuraram. Muita gente não aceitou as declarações dele. Vou levar esse assunto para uma assembleia para conversarmos a respeito e decidirmos o que vamos fazer”, disse à reportagem o presidente da ABAF, Jorge Moraes.

O agente chamou o presidente do Santos de “deselegante”. “Ele generalizou toda a categoria, foi deselegante. Em qualquer área da sociedade existem bons e maus profissionais.”

Modesto Roma Junior disse em Brasília que os clubes estão em situação de penúria por causa de “gigolôs”, empresários “cafetinadores de jogadores de futebol”.

Moraes reclamou da postura do dirigente santista e dos ataques aos agentes. “Se queremos o bem do futebol, temos de trabalhar para isso, e não procurar o caminho das agressões e acusações”, disse.