Em um duelo pela reabilitação, a Chapecoense levou a melhor em cima do Vitória ganhando por 2 a 1, neste sábado, no estádio Barradão, em Salvador, na abertura da 16.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com 21 pontos, o time catarinense respira na tabela de classificação, deixando o baiano em crise, com apenas 12 e ainda na vice-lanterna. A diretoria promete anunciar o substituto de Alexandre Gallo, que deve ser Paulo César Carpegiani.

O Vitória é o pior mandante da competição, com apenas um triunfo em nove jogos e agora tem a pior defesa, com 29 gols sofridos. Na última rodada tinha perdido em casa para o Grêmio por 3 a 1. Esta foi a sua quarta derrota consecutiva na competição. A Chapecoense melhorou o seu sistema defensivo com o técnico Vinícius Eutrópio, mas só tinha vencido uma vez nas últimas cinco rodadas, inclusive na anterior quando perdeu para o Santos por 1 a 0, no estádio da Vila Belmiro, em Santos. Agora venceu fora e ganhou fôlego.

O JOGO – Escalado pelo interino Flávio Tanajura, o Vitória apresentou algumas mudanças como a entrada do goleiro Caíque no lugar do sacrificado Fernando Miguel, além das saídas do meia Cleiton Xavier e do atacante André Lima para as entradas de Yago e Neilton, respectivamente. A Chapecoense não abriu mão de suas duas linhas defensivas de quatro jogadores para dificultar a movimentação adversária.

Mesmo assim, o time baiano chegou com perigo aos 16 minutos em um chute de longe de Uilliam Corrêa, que desviou na defesa e tirou tinta da trave esquerda. Na cobrança de escanteio, após rebote de Jandrei, a bola tocou no joelho de Moisés e sobrou para a cabeçada de Kanu para o gol. Mas o auxiliar anulou marcando impedimento. Lance polêmico e reclamado.

O time catarinense esperava um erro defensivo, que saiu aos 26 minutos. Geferson recuou para Caíque, que não conseguiu encaixar a bola. Na sequência ele segurou pela camisa o venezuelano Seijas dentro da área: pênalti. Na cobrança, Reinaldo chutou rasteiro e marcou aos 27. A partir daí, a torcida pegou no pé de Geferson, vaiando quando ele pegava na bola.

Pior do que isso é que a Chapecoense passou a explorar os contra-ataques e se deu bem. Aos 30 minutos, após falta levantada na área, Arthur deu um leve toque de cabeça, Caíque espalmou e a bola ainda bateu na trave antes de sair. Aos 44, Seijas desceu em velocidade, passou por Caíque e mandou em direção ao gol. Em cima da linha Fellipe Soutto salvou para Kanu aliviar com um chutão.

O Vitória voltou para o segundo tempo na base da pressão e empatou em um pênalti. Após lançamento para a área, a bola tocou no braço do zagueiro Douglas Grolli. Apesar das reclamações, Neilton cobrou bem no alto e deixou o placar igual, aos 16 minutos. Não deu tempo para comemorar. Dois minutos depois, Arthur Kaike pegou a defesa baiana aberta e lançou Lourency em velocidade. Ele invadiu a área e bateu forte no alto.

Nos últimos minutos, o Vitória tentou buscar o empate na base do “tudo ou nada”. Teve uma chance com Neilton, aos 31 minutos, em um chute cruzado. Aos 37, Yago reclamou de pênalti em um carrinho de Douglas Grolli – outro lance duvidoso. Mas só isso. Muito pouco para evitar a nova derrota.

Os dois times voltam a campo pelo Brasileirão somente no outro domingo, dia 30. A Chapecoense, às 11 horas, na Arena Condá, em Chapecó (SC), diante do lanterna Atlético Goianiense. O Vitória vai até Belo Horizonte para enfrentar o Cruzeiro, no estádio do Mineirão, às 19 horas.

FICHA TÉCNICA

VITÓRIA 1 x 2 CHAPECOENSE

VITÓRIA – Caíque; Caíque Sá, Wallace Reis, Kanu e Geferson (Patric); Fellipe Soutto, Uillian Correia (André Lima), Yago e Carlos Eduardo (Jhemerson); Neilton e Tréllez. Técnico: Flávio Tanajura (interino).

CHAPECOENSE – Jandrei; Apodi, Douglas Grolli, Victor Ramos e Reinaldo; Andrei Girotto, Moisés (Moisés Ribeiro), Lucas Marques, Seijas (Lourency) e Luiz Antonio (Wellington Paulista); Arthur Kaike. Técnico: Vinícius Eutrópio.

GOLS – Reinaldo (pênalti), aos 27 minutos do primeiro tempo; Neilton (pênalti), aos 16, e Lourency, aos 18 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Caíque e Caíque Sá (Vitória); Apodi, Douglas Grolli, Andrei Girotto, Lourency e Moisés Ribeiro (Chapecoense).

ÁRBITRO – Marcelo de Lima Henrique (RJ).

RENDA – R$ 58.201,00.

PÚBLICO – 5.433 pagantes.

LOCAL – Estádio Barradão, em Salvador (BA).