Prestes a iniciar a fase de mata-mata do Campeonato Paranaense, amanhã às 16h contra o Rio Branco de Paranaguá, no Gigante do Itiberê, o Coritiba luta para que as incômodas pedras no sapato que atrapalham o dia-a-dia do Alviverde não comprometam a busca pelo pentacampeonato estadual. Frustrado por não poder contar com a base que iniciou a temporada, o próprio técnico Dado Cavalcanti alerta que a reformulação forçada da equipe – seja pela falta de peças de reposição, depois da perda de importantes jogadores, ou ainda por conta do elevado índice de atletas lesionados – tem comprometido a evolução do time em campo.

‘Nossa equipe vive um momento de reformulação e reestruturação, e infelizmente ela está vivendo essa fase durante as competições. Mesmo com todo esse processo continuamos competitivos, mas lógico que tecnicamente pensávamos estar num degrau acima, à frente no contexto de jogo’, reconhece o treinador.

A queixa do comandante alviverde é sustentada pelos últimos resultados do Coritiba. Depois de emplacar quatro triunfos consecutivos logo na estreia da equipe titular pelo Paranaense e de quebra alcançar a liderança da competição, o Alviverde vive um declínio técnico e tático. Pelo Estadual, enquanto Dado Cavalcanti quebra a cabeça para dar padrão de jogo à equipe e encontrar substitutos dentro do elenco para as baixas acumuladas desde a pré-temporada – quatro jogadores com status de titulares, fora os ausentes por lesões, caso do zagueiro Leandro Almeida e do atacante Zé Eduardo -, o Alviverde não passou de um empate em 2×2 contra o Prudentópolis, em pleno Couto Pereira, e foi derrotado pelo Londrina, por 2×0.

‘Uma equipe se desenvolve a medida que os resultados acontecem. Começamos muito forte a competição, e em seguida quando começamos a mudar muito (a equipe). Aí a coisa dificultou, e uma coisa leva a outra. Meu foco está em trabalhar nas repetições, dentro do nosso grupo procurar as soluções para cada jogo, e aberto à vinda de novos jogadores’, comenta.

Dentro desse cenário, após a estreia burocrática do Coxa pela Copa do Brasil, onde a equipe empatou em 2×2 diante do Cene e abusou dos erros defensivos e de posicionamento, o treinador projeta dificuldades na partida de amanhã à tarde contra o Rio Branco. ‘Temos que dar continuidade no trabalho. O jogo do Rio Branco será muito difícil. Já jogamos contra eles, sabemos da qualidade deles e temos que estar ligados’, prevê Dado.