A ciranda de técnicos no Palermo permanece. Nesta segunda-feira, o clube anunciou a contratação de Giuseppe Iachini para dirigir o time, que luta contra o rebaixamento no Campeonato Italiano, apenas três meses depois que ele foi demitido.

O seu substituto, Davide Ballardini, foi demitido dois meses depois. Depois disso, Guillermo Barros Schelotto foi contratado, mas não tinha a licença de treinador da Uefa. Ele, então, dirigiu o time durante um mês das arquibancadas, com Giovanni Tedesco ocupando a vaga no banco, enquanto o argentino aguardava a liberação da Uefa.

Porém, Schelotto não recebeu o aval, deixou o cargo e foi sucedido pelo treinador dos juniores do Palermo, Giovanni Bosi. No entanto, Bosi ficou apenas um ano no cargo, a derrota por 3 a 1 para o Torino em casa, no último domingo, que deixou o Palermo, em 15º lugar, quatro pontos acima da zona de rebaixamento.

As mudanças de treinador, aliás, são uma constante no Palermo desde que Maurizio Zamparini se tornou presidente do clube: foram mais de 30 alterações nos seus 14 anos à frente da gestão da equipe.