Walter Alves
Flávio (ao fundo) vê a festa de Pedro Ken pelo segundo gol: Coxa
jogou mais e cavou a vitória aos 48 minutos do segundo tempo.

E não é que Coritiba e Paraná fizeram um clássico daqueles dos bons tempos? Apesar da baixa expectativa em cima das duas equipes nesse início de Campeonato Paranaense, o encontro dos dois, ontem, garantiu um grande espetáculo aos mais de nove mil torcedores presentes no Couto Pereira. Com direito a golaços e muita emoção até o último momento. No final, a merecida vitória do Coxa por 3 a 2, que pulou para a 6.ª colocação enquanto o Tricolor desceu para a 7.ª.

Se o Coritiba ainda tentava ajeitar a sua equipe formada, agora, pela garotada da base, o Paraná deu uma folga aos heróis da vitória sobre o Cobreloa e apostou num time reserva, mas experiente. Na teoria, por se tratar de um clássico, o equilíbrio seria o mais esperado, mas o que se viu foi um Alviverde arrasador. O cronômetro não marcava nem dois minutos quando o maestro Marlos cobrou escanteio para Rodrigo Mancha bater e entrar com bola e tudo. Era só o começo da avalanche para cima do Paraná.

Enquanto Ânderson Gomes se machucou e foi substituído, Zetti trocou Zumbi por Renan, ex-Coxa, estreando com a camisa paranista. Se Lima tivesse aproveitado uma bola na pequena área, a situação poderia ter mudado ali, mas não mudou e o Coxa continuou em cima. O segundo gol era questão de tempo e João Vítor resolveu ajudar cobrando um tiro de meta de forma bisonha. Pedro Ken aparou, lançou Keirrison e recebeu de volta para fuzilar e ampliar.

?O primeiro tempo acabou e nós ainda não entramos no jogo?, disparou o goleiro Flávio no intervalo. Já o técnico Guilherme Macuglia alertava para os perigos que poderiam aparecer. ?Pedimos calma e um posicionamento correto para não sermos surpreendidos?, disse. E foi tudo o que faltou ao Coritiba: calma para segurar o jogo e não deixar o adversário crescer na partida. Que o diga o zagueiro Henrique, perfeito até então, que resolveu espanar uma bola para o alto. Quando a pelota desceu, Lima aproveitou a sobra e mandou no ângulo.

Estava desenhada a redenção do Tricolor, que não havia jogado nada até então. A garotada coxa sentiu o baque, mostrou cansaço e nem teve tempo de reagir quando Vinícius Pacheco recebeu na intermediária, passou por dois e mandou uma bomba no canto. Festa da torcida paranista, que pensou que poderia levar um ponto para a Vila e ainda tirar sarro do rival na Segundona.

Mas ainda tinha jogo e Macuglia apostou no veterano Edmílson. Malandro, cavou uma falta no último minuto, que Marlos cobrou no pé de Rodrigo Mancha, que tocou de ladinho para o gol. O goleirão Flávio se atrapalhou e a bola entrou quando Ígor complementou. Mas a súmula apontou gol para este no último lance da partida.

Macuglia elogia raça da garotada e pede seriedade antes do Atletiba

Merecida. Esta foi a análise que o técnico Guilherme Macuglia fez da vitória de ontem do Coritiba sobre o Paraná por 3 a 2. ?Não merecíamos aquele empate, principalmente pelo volume de jogo apresentado no primeiro tempo, fomos surpreendidos por dois belos gols, a equipe se desestabilizou e arriscamos trocando um volante por mais um atacante?, disse o treinador alviverde. Para ele, o gol acabou sendo um prêmio para dar a tranqüilidade que o time, muito jovem, precisa para a seqüência da temporada.

De acordo com ele, a determinação e cumprimento tático à risca fez com que o time mostrasse um bom futebol e conseguisse superar o rival no clássico. ?Vacilamos um pouco no segundo tempo, erramos, pagamos pelos erros, mas a determinação e vontade de vencer mostrou que merecíamos a vitória?, vibrou. Para ele, o time vem evoluindo e mostrou isso contra o Tricolor. ?É lógico que esperamos um rendimento melhor de alguns jogadores e a falta de uma liderança mais experiente faz com que aconteçam alguns deslizes, mas eles mostraram um poder de superação muito grande?, destacou.

Mesmo assim, Macuglia volta a segurar a euforia pela vitória dos Meninos Superpoderosos, principalmente numa semana de Atletiba. ?Nós temos uma viagem para Maringá onde vamos enfrentar um adversário muito difícil e não temos que pensar no Atlético agora. Temos que focar o Adap e prevenir esses atletas e os mesmos três pontos do Adap são os três do Atlético?, comparou.

Para este confronto na quarta-feira, o treinador coxa não poderá contar com o meia Pedro Ken, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Já o atacante Ânderson Gomes sentiu uma fisgada na virilha e será submetido a um exame para saber se terá condição para a partida contra o Adap Galo. Definição da equipe para o confronto de quarta sai amanhã.

Cabeção

Ficou para hoje a definição da vinda ou não do lateral-direito Ruy. O jogador ainda não decidiu se aceita a proposta do Coritiba ou acerta a ida para o DC United/EUA onde as incrições se encerram agora no dia 10. De qualquer forma, a diretoria alviverde garante já ter conversado com outros quatro atletas para a posição e, a qualquer momento, pode apresentar um substituto devido à indecisão do Cabeção. Já o meia Geraldo deverá ser apresentado nos próximos dias.

CAMPEONATO PARANAENSE
1.ª Fase – 6.ª Rodada
Local: Couto Pereira
Árbitro: Antônio Denival de Morais
Assistentes: Gílson Bento Coutinho e Bruno Boschilia
Gol: Rodrigo Mancha aos 2 e Pedro Ken aos 18 do 1.º tempo; Lima aos 23, Vinícius Pacheco aos 26 e Ígor aos 48 do 2.º tempo
Cartão amarelo: Da Silva, João Vítor, Ígor, Pedro Ken, Élton
Expulsão: Joélson aos 46 do 2.º tempo
Renda: R$ 94.140,00
Público pagante: 8.291
Público total: 9.653

Coritiba 3 x 2 Paraná

Coritiba
Marcelo Bonan; China, Henrique, Leandro e Daniel Cruz (Fábio Lopes, 43 do 2.º); Rodrigo Mancha, Juninho (Edmílson, 30 do 2.º), Pedro Ken e Marlos; Ânderson Gomes (Ígor, 11 do 1.º) e Keirrison. Técnico: Guilherme Macuglia

Paraná
Flávio; Da Silva (Élton, 15 do 2.º), João Paulo e João Vítor; Alex, Serginho, Joelson, Zumbi (Renan, 12 do 1.º) e Digão; Vinícius Pacheco (Parral, 35 do 2.º) e Lima. Técnico: Zetti

Mauad surpreende e anuncia candidatura

A corrida eleitoral para o cargo máximo da direção do Coritiba está oficialmente aberta. Ontem, o ex-presidente Édson Mauad, sogro do craque Alex, mandou anunciar que é candidato para suceder Giovani Gionédis. A notícia causou surpresa na oposição, que não vinha contando com o conselheiro em suas últimas reuniões. Hoje, o dirigente promete se pronunciar e revelar seus planos para o clube caso seja escolhido no pleito de dezembro.

?O Édson Mauad é candidato a presidente?, revelou Sérgio Cecatto, assessor do conselheiro do Coxa. De acordo com ele, a decisão foi tomada durante o final de semana, mas ele só iria falar sobre o assunto a partir de hoje. Mesmo estando no grupo contrário a Gionédis, a informação pegou de surpresa Luís Guilherme de Castro, dissidente da atual diretoria. ?Não estou sabendo de nada. Ele não tem participado do grupo de oposição, mas seria recebido de braços abertos?, analisou.

Periodicamente, o grupo que tentou a queda de Gionédis se reúne para manter a mobilização e ir articulando uma chapa para disputar as eleições de dezembro. ?A nossa idéia é lançar um nome que esteja forte próximo do final do ano?, apontou. Desse pessoal, já se falou em Ricardo Gomyde e Luisão Stellfeld, mas nenhum deles conseguiu força suficiente para decolar. Correndo sozinho está Domingos Moro, que só deve disputar a presidência se tiver apoio suficiente para se eleger.