A menos de uma semana para a estreia na Copa América, o técnico Tite começa neste domingo a ver como a seleção brasileira se comporta em campo sem a presença de Neymar, cortado da equipe por lesão no tornozelo direito. O amistoso contra Honduras, às 16 horas, no Beira-Rio, em Porto Alegre, serve como teste final para o time encontrar um novo acerto.

Desde a chegada ao cargo de técnico da seleção, em 2016, Tite dirigiu a equipe em 35 partidas e poucas vezes não contou com Neymar. O treinador só não pode escalar o atacante em oito ocasiões, sete delas em amistosos e apenas uma em um jogo oficial: diante da Venezuela, nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Por isso, a preocupação do Brasil agora é desenvolver uma estratégia de jogo que não seja mais dependente do camisa 10. “Ele era nossa referência técnica, mas nossa seleção no coletivo e no conjunto é muito forte. Temos peças para suprir nossas necessidades”, disse o volante Arthur.

O treinador vai testar David Neres na vaga de Neymar. A expectativa contra Honduras é avaliar como o estilo de jogo da seleção vai mudar sem ter a principal estrela e sem ter de encarar uma marcação especial do adversário em cima de um jogador específico.

Pela primeira vez o treinador terá o grupo todo de 23 jogadores à disposição para observar no amistoso. Alisson se apresentou na quinta-feira junto com o colega de Liverpool, Roberto Firmino, mas só o goleiro vai ser titular. A outra novidade é Willian. O meia convocado para substituir Neymar vai herdar a camisa 10, mas deve ficar no banco de reservas.

Os jogadores admitiram a obrigação de encerrar a preparação com um bom resultado. “A gente sabe que a pressão é o dobro, o triplo do tamanho. Mas temos jogadores com mais experiência”, disse Arthur.

A estreia do Brasil na Copa América será na sexta-feira, contra a Bolívia, no estádio do Morumbi. A adversária no Beira-Rio, a Honduras, está na América do Sul para se preparar para a Copa Ouro. Na quarta-feira, a equipe disputou amistoso com o Paraguai e empatou por 1 a 1.