Elano se sente um pouco responsável pela ressurreição do Santos na Copa Libertadores, depois de fechar o primeiro turno da fase de classificação sem vitória. É que no pior momento do time no início de temporada, ele teve uma conversa com o presidente Luís Alvaro de Oliveira Ribeiro e pediu a contratação de um técnico para colocar a casa em ordem ou a efetivação de Marcelo Martelotte.

“Cobrei do presidente a contratação de alguém que desse uma cara ao time. Agora, dá gosto de ver o time jogar”, disse Elano, nesta terça-feira. “Agora, cada um tem a sua função dentro de campo e conseguimos em pouco tempo entender o que o Muricy tinha para passar para a gente. A equipe passou a marcar bem e continua fazendo gols”.

Ao saber da contratação de Muricy, Elano ficou satisfeito e mesmo antes da estreia do novo treinador ele afirmou que o Santos seria outro time em pouco tempo. Agora ele atribuiu ao comandante até a grande fase que Danilo atravessa. “Ele melhorou muito porque o jogo coletivo está bom. Danilo é um garoto incrível, cresceu com todo o time e, por ser alto, ajuda o time tanto na defesa como no ataque”.

Artilheiro do time na temporada, com 10 gols no Campeonato Paulista e três na Libertadores, Elano ainda não marcou nenhum sob o comando de Muricy por estar fazendo uma função diferente. Mas não se queixa. “Voltei para o Santos para ajudar. E a mudança foi para melhor porque o time vencendo. É como Muricy diz: quando o conjunto está bem, as individualidades aparecem”.

Com base nas vezes em que jogou pela seleção brasileira contra o México, Elano espera por um jogo difícil nesta quarta, contra o América, na Vila Belmiro. “Tenho certeza de que serão dois jogos difíceis. O América marca bem e sai para o jogo. Mas o nosso objetivo é não sofrer gol e tentar ganhar com diferença de mais de um gol. Só não acredito que o América vá se arriscar muito.”

Como Neymar, Elano não acha que o Santos deve priorizar a Libertadores e abrir mão do Campeonato Paulista. “As duas competições são extremamente importantes para Neymar, para mim e para todos nós. Se não ganharmos o Paulista, com certeza seremos cobrados pelo torcedor”, afirmou.