Marcador implacável, Edimar virou símbolo de persistência. O volante viveu um período terrível no clube. Colocado em disponibilidade na transição entre Estadual e Série B, passou a trabalhar à parte, sem o contato diário com os companheiros. Deu a volta por cima e hoje será titular do meio-campo, formando com Chicão a dupla de proteção à zaga.

“Não dá pra desistir nunca. Passei por dificuldades, mas sempre treinei forte, em silêncio, esperando uma reviravolta”, disse o jogador. Edimar já há algum tempo estava novamente treinando com o grupo.

Mas, a chegada de Roberto Cavalo reabriu o caminho para que ele pudesse jogar. “Ele até jogou pouco comigo, no ano passado, mas sempre foi um profissional exemplar. Gosto disso e gosto de volante, assim, pegador”, disse o técnico.

Com humildade, diz não entender o que determinou seu afastamento. “Não sei, mesmo. Sempre trabalhei sério, independente de estar jogando ou não. Mas, isso é coisa do futebol, acontece”.

Edimar prefere não criticar dirigentes ou comissão técnica e se resignar àquilo que gosta de fazer: jogar futebol. “Espero aproveitar essa boa fase do time. O professor tá dando moral e vamos tentar mais uma vitória”, afirmou o raçudo Edimar.