A Comissão Médica dosJogos Sul-americanos anunciou oficialmente domingo o primeiro caso de doping de um integrante da delegação brasileira nos Jogos Sul-Americanos. O exame realizado pela atleta Eliana Luanda Cardoso Pereira, 19 anos, detectou a presença de metabolicos de estanozolol, substância proibida, de acordo com o item 1.C do Código Antidoping do Movimento Olímpico.

Durante a semana, o presidente da Odesur, Antonio Rodrigues, havia declarado que estavam confirmados “mais casos” de doping nesta edição do que na de Cuenca/98 quando foram registrados dois. Antonio não precisou, no entanto, o número oficial de casos. A Odesur retirou da atleta brasileira a medalha de ouro conquistada nos 1.500 m no dia 3, em Belém. A chilena Eliana Vasquez, que completou a prova em segundo lugar, fica com a medalha de ouro e sua compatriota Susana Aburto, com a prata. A equatoriana Silvia Yucallia herdou a medalha de bronze.

O médico Júlio César Alves, que acompanha Eliane desde março deste ano, enviou documento à Comissão Médica, antes do exame de contraprova, listando cinco suplementos nutricionais que havia receitado à atleta. Ele admitiu que “de acordo com o produto final, o pré-hormônio Androstene, pode ser convertido em Estanozolol”.

O objetivo era melhorar o aspecto físico e o rendimento técnico da paciente. As substâncias listadas foram: creatina (5g/dia), BCAA (5g/dia), L-Glutamina (3g/dia), Complete Works (40g/dia) e Nor-andro-stack (2 capsulas/dia). O caso será analisado pela CBAt.