O sérvio Novak Djokovic colocou em dúvida, neste domingo, a sua participação no Masters 1.000 de Montecarlo. O tenista número 1 do mundo disse não ter certeza se poderá atuar nesta semana na competição, embora esteja otimista de que irá se recuperar a tempo de uma torção no tornozelo direito.

Djokovic torceu o seu tornozelo no domingo passado, quando defendeu a Sérvia diante dos Estados Unidos pelas quartas de final da Copa Davis. Exames mostraram que a lesão não foi tão séria como se chegou a temer. O sérvio, inclusive, treinou com o seu técnico nos últimos três dias, visando a sua estreia em Montecarlo na próxima quarta-feira.

O líder do ranking da ATP, que no ano passado foi derrotado pelo espanhol Rafael Nadal na final de Montecarlo, avisou que não pretende correr riscos e agravar uma lesão que ainda não foi totalmente curada. “Não posso garantir em 100% que estarei em quadra na quarta-feira. Ainda tenho de ser realista e ver se em algumas práticas nestes próximos dias vou ter algum desconforto se me esforçar ao máximo”, destacou.

Em seguida, Djokovic deixou claro que só irá competir se estiver em plenas condições de ser competitivo em um evento tão importante como este do circuito profissional. “É um torneio muito forte e não acho que há qualquer espaço para me comprometer. Para competir em um alto nível preciso estar a 100%. Sei que há muitas pessoas que esperam que eu esteja lá, e eu quero estar lá mais do que ninguém”, enfatizou.

Por ser o principal cabeça de chave da competição, Djokovic irá estrear em Montecarlo já na segunda rodada, caso confirme participação, de fato, no evento. Ele irá encarar o vencedor do confronto entre o russo Mikhail Youzhny e o espanhol Daniel Gimeno-Traver. “Decidirei até no máximo na terça-feira. Não posso dar um porcentual (de chances de disputar o torneio), mas estou mais otimista do que estava no começo da semana, isso é certo”, completou.