Com o cronograma da Copa atrasado e os preparativos sendo alvos de crítica do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Fifa, a presidente Dilma Rousseff fez nesta terça-feira, em Brasília, a sua primeira reunião com os prefeitos e governadores das 12 cidades brasileiras que vão receber jogos do Mundial de 2014. No encontro, que contou também com a participação de alguns ministros, ela reforçou os apelos de respeito aos prazos e enfatizou a importância da união das três esferas governamentais (federal, estadual e municipal) na organização do evento.

Em tom conciliatório e de união, Dilma abriu o encontro falando às autoridades presentes – sem “puxões de orelha” nos governadores e prefeitos. “Queremos fazer uma Copa e fazer bem. A gente tem de mostrar à população que essa Copa vai sair e que temos capacidade para fazer a melhor das Copas”, afirmou a presidente.

O ministro do Esporte, Orlando Silva, apresentou um balanço do andamento das obras nos estádios, observando que o cronograma deve ser cumprido obrigatoriamente. Também foi comentada a situação de portos e aeroportos no País. E ainda foi anunciado que as obras de mobilidade urbana que não forem licitadas até dezembro de 2011 sairão do PAC da Copa.

Durante o encontro, Dilma pediu que governadores e prefeitos acelerassem as obras dos estádios. Já o governo federal se comprometeu a agilizar a votação do regime diferenciado de licitações, que está em tramitação na Câmara.

Os prefeitos também lançaram um alerta para o problema das desapropriações, que estão empacadas, o que impede a realização das obras de mobilidade urbana. Agora, o Planalto e as prefeituras vão tentar aprovar o mais rapidamente possível uma nova lei para fazer desapropriações a toque de caixa.