te81221204.jpg

Meia pode vir para o Alto
da Glória sem custos.

Diego Souza está, sim, nos planos do Coritiba. O armador do Palmeiras não fica no Parque Antártica em 2005, e seria o jogador a ‘fechar’ o meio-campo coxa na próxima temporada.

Incluído na lista de possíveis reforços do técnico Antônio Lopes, o nome de Diego ganhou força com a intenção do alviverde paulista em emprestá-lo, e na possibilidade real de este empréstimo acontecer sem custos.

O comando do futebol coxa, arredio em confirmar nomes de jogadores sondados, não escondeu o interesse em Diego Souza, mas preferiu deixar o assunto no campo da especulação. "Ele está em uma lista de jogadores que nós montamos. Na mesma posição, temos outros três jogadores de características semelhantes", explica o coordenador técnico Sérgio Ramirez, que cuida das sondagens ao lado do gerente Oscar Yamato.

Os representantes do atleta confirmam o contato. "Conversamos com a comissão técnica e com os dirigentes, e já fizemos uma proposta. Estamos esperando a resposta do Coritiba", conta Jaílton Costa, da Ability Sports, empresa que administra a carreira de Diego (e que trabalha também com os alviverdes Cacique, Alexandre Fávaro, Tiago Santos e o júnior Marco Antônio).

Pela ligação de seus procuradores com o Coritiba, o armador palmeirense já tem conhecimento da estrutura do clube. "Ele sabe da qualidade do Coritiba e da cidade, que é muito boa para morar. Por isso, não vê nenhum problema para jogar aí", confirma Jaílton Costa, que garantiu que o time paulista não criaria empecilhos para emprestar o jogador para o Coxa.

A única possibilidade de Diego Souza não seguir o caminho do Alto da Glória é o interesse do São Paulo, assegurado pelo representante. "O Leão pediu à diretoria a contratação do Diego, aventando até a possibilidade de fazer uma troca com o Palmeiras", comenta Costa. Ele espera uma contraproposta do Cori (ou o aceite coxa) para os próximos dias.

Saindo

Alemão e Ataliba estão cada vez mais longe do Coritiba. O atacante tem até sexta para definir se aceita ou não a proposta alviverde, mas a possibilidade mais plausível é a saída para o Leste Europeu ou para o Rio de Janeiro. Já o volante espera a definição entre o seu procurador e a diretoria – Ataliba espera "valorização", que não deve acontecer.

Maioria dos jogadores vai continuar

O Coritiba encerra 2004 de forma bem diferente que 2003, em todos os sentidos. Se a temporada não foi tão vitoriosa quanto a anterior, o planejamento da diretoria já está em andamento, ao contrário do ano passado. Com o comando técnico mantido (Antônio Lopes e seus auxiliares), o clube conseguiu manter grande parte do elenco. Se após a conquista da vaga para a Libertadores o Coxa perdeu dezessete jogadores, entre eles os principais titulares, desta vez a base – formada pelos jovens revelados neste ano e pelos "veteranos" Fernando, Luís Carlos Capixaba e Roberto Brum – está quase intacta.

Da lista de 40 jogadores ligados ao Coxa, onze podem se desvincular do clube ao final do ano. Destes, apenas quatro (Reginaldo Nascimento, Adriano, Ataliba e Alemão) são jogadores utilizados pelo técnico Antônio Lopes – os outros (Badé, Tiago Soler, Tiago Santos, Tesser, Cléber, Malzoni e Romeu) não foram aproveitados neste ano ou nem estavam no clube, caso do lateral Badé, que disputou a Série B pelo Avaí. O jogador não terminou a competição pelo time catarinense, já que seu contrato ia até 12 de dezembro, um dia antes da rodada final da Segundona. Sem acordo entre ele e os dois clubes, é certo que ele saia em definitivo do Coxa no final do ano.

As principais revelações da equipe e os considerados "jogadores-chave" para o Delegado estão garantidos. "Este final de ano está bem diferente do anterior. Quando cheguei ao Coritiba, o clube tinha perdido muita gente e teve que refazer o planejamento no final de dezembro. Desta vez, estamos trabalhando desde o final de outubro para montar o grupo de 2005. E a base é a que utilizamos no brasileiro", analisou o técnico Antônio Lopes.

O único jogador desta ‘base’ que poderia desfalcar o Coxa é Miranda, que já sabe do interesse de clubes europeus pela sua contratação. No entanto, ele não quer deixar o Brasil para jogar no Leste Europeu.

A manutenção do elenco é fruto de um trabalho de bastidores da direção do Coxa. Aos poucos, o comando do futebol renovou contratos por longo período com os jovens e de no mínimo um ano com os ‘consagrados’. Assim, formou-se o grupo com jogadores de vínculo estendido com o clube, casos de Laércio, Ricardinho (ambos com contrato até o final de 2008) e Rafinha (até o fim de 2009). Com isso, somente dois – Adriano e Reginaldo Vital – dos quarenta jogadores alviverdes têm contratos terminando na metade de 2005.