O técnico da França, Didier Deschamps, quer que o seu time cadencie o ritmo da partida desta segunda-feira, contra a Nigéria, às 13 horas, em Brasília, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Como a previsão para a hora do jogo é de que a temperatura esteja na casa dos 30ºC e há possibilidade de a decisão da vaga ir para prorrogação e pênaltis, ele pede para os atletas franceses controlarem o desgaste físico.

“Se o jogo fosse no final da tarde, talvez o ritmo fosse mais acelerado. É preciso gerenciar essas situações. Não sei como o organismo dos atletas vai reagir. Vimos que brasileiros e chilenos terminaram a prorrogação muito cansados”, disse o treinador francês neste domingo, em entrevista coletiva no Estádio Mané Garrincha.

Será o primeiro jogo da França às 13 horas na Copa, enquanto a Nigéria já jogou nesse horário na última rodada da primeira fase, contra a Argentina, em Porto Alegre (derrota por 3 a 2). Assim que a seleção francesa confirmou a vaga nas oitavas de final, na última quarta-feira, os treinos da equipe passaram a ser no mesmo horário da partida e o café da manhã foi reforçado, inclusive com macarrão no cardápio.

“Jogaremos em um horário um pouco diferente e nos últimos dias tentamos nos adaptar à alimentação e às temperaturas altas. Os nigerianos estão mais habituados ao calor e uma partida nesse horário pode ter interferência no ritmo do jogo”, explicou Deschamps.

O treinador também destacou que o fator psicológico pode ser determinante. Ele prevê um jogo nervoso e bastante disputado. “A partida pode ser mais tensa porque a vitória é decisiva e ainda tem o elemento de que o jogo pode ir para prorrogação e pênaltis. Mata-mata exige mais prudência e cautela”, avaliou.

Deschamps fez mistério sobre a escalação e só revelará o time momentos antes da partida. A principal dúvida é o zagueiro Sakho, do Liverpool, que sofreu uma distensão muscular na coxa esquerda. Para preservar o gramado do Mané Garrincha, França e Nigéria treinaram no campo do Corpo de Bombeiros de Brasília.