O Atlético retorna ao gramado para que o 2.º tempo seja iniciado. Antônio Lopes volta junto e, enquanto se encaminha para o banco de reservas, é abordado pelo 4.º árbitro e avisado que não poderia continuar ali porque fora expulso. Lopes então se dirige a Leandro Vuaden e questiona o motivo da exclusão. A resposta é ter desrespeitado o assistente Altemir Haussmann.

Nesse instante tem início o lance mais inusitado do jogo. Lopes, que é Delegado, pede para que os PMs presentes no estádio acompanhassem Haussmann para fora de campo para que fosse lavrado um Boletim de Ocorrência já que o treinador alegou ter sido agredido pelo assistente. “Leva ele”, disse o Delegado aos policias. Em seguida um bate-boca entre os dois envolvidos. “Você é indigno”, diz Lopes referindo-se ao auxiliar que retruca, afirmando que vai relatar tudo na súmula. A confusão atrasou o reinício da partida e impediu que Lopes continuasse em campo e orientasse o seu time.

Versão

No final do jogo, o Delegado deu sua versão do fato. “O bandeirinha errou em situações de falta e de impedimento. Eu olhei para ele com um olhar de reprovação, recriminando a situação de ele não estar atento e marcando tudo errado. Em determinado momento ele passou junto à área técnica, deve ter sido de propósito, passou correndo e me deu um chega pra lá. Falei para ele que ia fazer um BO (boletim de ocorrência) pelo fato de ele ter me dado um chambão. Para justificar esse comportamento, no intervalo, ele deve ter falado com o árbitro sobre a situação e deve ter pedido para me expulsar. Uma expulsão injusta e a gente acaba deixando de trabalhar e prejudicando o Atlético devido ao comportamento errado”, explicou o Delegado.