Julio Baptista está de volta ao futebol. O jogador formado pelo São Paulo e que tem no currículo invejáveis passagens por Arsenal, Real Madrid e Roma, ficou 16 meses afastado dos gramados e só retomou sua carreira no último dia 3, quando voltou a jogar pelo Málaga. No período em que foi desfalque do time espanhol, passou por duas cirurgias e viu sua volta ser colocada em dúvida.

Presente na última Copa do Mundo, ele nunca mais foi convocado pela seleção brasileira. Mas, agora que retornou ao futebol, quer recuperar um posto no time do técnico Luiz Felipe Scolari, que gosta de jogadores de força como ele.

“Quem esteve muitos anos defendendo o Brasil, como eu, quer voltar. Mas isso vai depender do momento que eu estiver vivendo, de como vou estar fisicamente e como vou estar jogando. Se eu estiver num nível muito alto, em condições de competir com os outros jogadores, por que não?”, comentou o meia-atacante, em entrevista ao site da Fifa.

Em dezembro de 2011, o brasileiro passou por um procedimento cirúrgico no pé direito que o tirou de ação por cerca de três meses. Durante o processo de recuperação, Baptista sofreu nova lesão e chegou a receber tratamento no centro de reabilitação do São Paulo.

Em seu retorno à Espanha, no entanto, os médicos do Málaga optaram por nova cirurgia para resolver o problema físico. “Não são lesões que acontecem sempre. Foi duro, porque me coloquei na situação de parar por mais quatro ou cinco meses e eu acabava de vir de um período assim. Foi o momento mais duro da minha carreira. Nunca tinha me machucado de forma tão grave, muito menos duas vezes seguidas”, lembrou.

De acordo com Julio Baptista, porém, ele nunca temeu pelo fim precipitado da sua carreira. “Os médicos sempre me deixaram tranquilos quanto a isso, que era uma lesão recuperável, mas eu pensava sempre no tempo, em todo o tempo que eu estava perdendo. Mas a lesão não deixa sequelas. Só tive que fazer um trabalho muito, muito pesado de fortalecimento muscular. Mas, pelos treinamentos, já posso ver que não perdi velocidade, vigor físico… Vou ver agora, começando a jogar, mas meu futebol é o de sempre.”