Um ano e meio depois da aposentaria de Alex Ferguson, o Manchester United novamente tem um time de futebol. Neste domingo, a prova de fogo veio contra seu maior rival, o Liverpool. Em Old Trafford, o time de Louis Van Gaal mostrou força, ganhou por 3 a 0 em uma ótima partida e chegou à sexta vitória seguida no Campeonato Inglês.

Com a sequência, apesar de um início ruim de campeonato, o Manchester United é o terceiro, com 31 pontos, ainda distante de Manchester City (36) e Chelsea (39). Nos últimos cinco jogos, porém, a equipe venceu rivais de peso como Arsenal, Liverpool e Southampton, ganhando moral.

Apesar do placar elástico, o jogo foi bastante equilibrado e definido pelos talentos individuais do Manchester. Se na frente Van Persie, Rooney e Mata fizeram um gol cada um, atrás o espanhol De Gea teve uma atuação memorável, fazendo pelo menos cinco defesas difíceis, três delas cara a cara com Balotelli.

Van Gaal também aprontou das suas e escalou o garoto James Wilson, de apenas 19 anos, para fazer o seu 10.º jogo da carreira exatamente no mais importante clássico do futebol inglês. Radamel Falcao Garcia, contratado a peso de ouro, foi preterido e mais uma vez ficou no banco de reservas, desta vez vendo um jovem no seu lugar.

O placar foi aberto aos 12 minutos, em linda jogada de Valencia. O ponta recebeu pela direita, colocou no meio das pernas de Allen e saiu em disparada em relação à área. Com frieza, esperou o momento certo para rolar para Rooney, que bateu forte, no contrapé de Jones, para fazer 1 a 0.

Ainda no primeiro tempo, o Manchester United fez o segundo de forma claramente ilegal. Mata estava muito impedido quando recebeu passe de Van Persie para ampliar. Enquanto isso, De Gea parava todas as investidas do Liverpool, que chegava principalmente com Balotelli.

O United não chegava tanto ao ataque, mas era mais eficiente. Aos 25 do segundo tempo, Rooney tentou o passe, a zaga cortou, mas a bola voltou para Mata, que abriu para Van Persie, livre, fazer o terceiro. Falcao só entrou a 12 minutos do fim, para substituir o aplaudidíssimo Wayne Rooney.