Diante dos olhares atentos da princesa Margriet, da Holanda, os nadadores Daniel Dias e Edênia Garcia brilharam nesta terça-feira no Mundial Paraolímpico, em Eindhoven. Os dois faturaram a medalha de ouro – ele, nos 50 metros livres – é a sua terceira vitória em três provas na competição -, e ela, nos 50 metros costas. Depois que a irmã da rainha Beatrix foi embora do Parque Aquático Pieter Van de Hoogenband, que teve a segurança reforçada, André Brasil venceu a prova dos 100 metros livres e quebrou o recorde mundial – fez 50s87 e a marca antiga era de 51s23.

Logo após, vieram um bronze com Phelipe Andrews nos 100 metros livre e uma prata no revezamento feminino 4 x 50 metros, formado por Edênia Garcia, Letícia Ferreira, Joana Silva e Ana Clara. Foi o melhor dia do Brasil, até o momento, na competição. O País já contabiliza 12 medalhas – seis ouros, três pratas e três bronzes, uma campanha que surpreende até os integrantes da delegação brasileira.

“Estamos em quinto lugar no quadro geral de medalhas, que é a nossa meta. O desempenho da equipe, até agora, é excelente”, vibrou o coordenador-técnico da seleção, Gustavo Abranches. Edênia era só sorriso com o tricampeonato mundial. “Ser atleta não é fácil. Deixei várias coisas de lado”, ressaltou ela, que sofre doença degenerativa. “O meu melhor remédio é a natação”.