Brasil x Paraná Clube teve tudo para ser mais um jogo decidido por Renan Bressan. O Tricolor estava voltando para a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro graças ao seu camisa 10, que marcou o único gol da equipe no jogo deste sábado (26), no estádio Bento Freitas sob forte chuva. Bressan decidir é chover no molhado, mas o Xavante pressionou e conseguiu o 1×1 final em uma falha de Alisson.

+ Podcast De Letra: Gustavo Villani se emociona ao falar de um ídolo do futebol paranaense

O jogo foi difícil, prejudicado pelo temporal e diante de um adversário que marca muito forte. E o resultado disse muito do que foi a partida. Por mais que o Paraná tivesse maior posse de bola, a produção ofensiva das duas equipes foi muito baixa. E o Tricolor perdeu a oportunidade de assumir a ponta da Segundona.

As equipes

Allan Aal tinha um grande problema. Em ótima fase, Jhony estava suspenso e teria que ser substituído. O treinador do Paraná optou pela troca mais simples. Não que Karl tenha tido uma boa sequência, esse seria apenas o seu primeiro jogo como titular. Mas ele fez dupla com Higor Meritão na primeira parte da temporada jogando na Ferroviária. Isso justificava sua escalação.

+ Opinião: No futebol brasileiro, o negócio é “farinha pouca, meu pirão primeiro”

Do meio pra frente, o técnico dava nova chance a Marcelo, que ainda não tinha brilhado. Com Andrey em campo, Renan Bressan ganhava um parceiro para dividir a responsabilidade pelas finalizações, e inevitavelmente diminuindo a marcação sobre o camisa 10, que anda sendo perseguido em todas as partidas. Do lado xavante, A única lembrança do time que fez boas campanhas no passado era o zagueiro Heverton. Até mesmo Leandro Leite virara reserva.

Brasil x Paraná: o jogo

O Tricolor não mudou seu jeito de jogar. Ficava mais com a posse de bola, tentando encontrar um espaço no sistema defensivo do Brasil de Pelotas. O desafogo era Andrey, que levava vantagem pelo seu setor. Marcelo fechava muito pelo meio, o que não ajudava. Apesar do bom gramado, a chuva também não colaborava. Os jogadores do Paraná escorregavam muito. E a partida ficava mascada, mais brigada do que jogada.

Paulo Henrique marca Gegê e Marcelo fica só de olho. Foto: Ítalo Santos/Folhapress

Por conta da dificuldade em chegar na área – e também pelo gramado molhado -, os dois times arriscavam bastante de média distância. Mas até a metade do primeiro tempo nada de emocionante tinha acontecido. Allan estava desesperado à beira do campo, pedindo para alguns tricolores entrarem no jogo. A quase súplica do técnico fazia sentido: era possível pressionar mais, atacar a saída de bola xavante.

+ 70 anos da TV no Brasil: a máquina que mudou o futebol

O ritmo lento favorecia as defesas. Acelerar o jogo parecia difícil porque os donos da casa estavam bem postados. E assim Brasil x Paraná seguiu sem lances dignos de registro até o apito final do primeiro tempo. Apesar de ter muito mais posse de bola, o Tricolor sofria.

Reta final

No segundo tempo, o Paraná montou acampamento no campo de defesa do Brasil de Pelotas. Jogando muito pela esquerda – além de Andrey e Jean Victor, Renan Bressan também caía por ali, o Tricolor lutava, mas era complicado achar espaços e também fazer Bruno Gomes participar do jogo. Allan não esperou mais, e sacou o centroavante para colocar Léo Castro. Do outro lado, os xavantes ameaçavam pouco.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!

Gabriel Pires foi o segundo a entrar, na vaga de Marcelo – que perdeu outra chance. Mas todo mundo sabia que faltava “ele” resolver. E foi o que aconteceu. Na primeira participação, Gabriel tocou para Renan Bressan, que chutou de primeira. O talento do camisa 10 paranista para finalizar é impressionante. Esse tipo de lance parece simples pra ele. Seria a solução do jogo, mas uma falha de Karl na marcação e de Alisson ao pular atrasado permitiu o empate do Brasil de Pelotas.