te11220105.jpg

Adriano vai para o Sevila,
da Espanha, e Roberto Brum
para a Academica, de Portugal.

O desejo de "ajudar" o Coritiba moveu um dos dias mais agitados do clube nos últimos anos. Em menos de 24 horas, o Coxa viu o lateral Adriano acertar com o Sevilla (ver matéria) e o volante Roberto Brum encaminhar uma negociação com a Acadêmica de Coimbra.

As duas vendas renderiam ao clube cerca de 15 milhões de reais – isso porque a diretoria garante que tem 100% dos direitos sobre Adriano e Roberto Brum abriu mão dos 50% a que teria direito.

A saída do Senador é surpreendente até para os personagens envolvidos na negociação. "Foi tudo muito rápido", confessa o volante, que foi liberado da delegação que seguiu na tarde de ontem para Maringá. "Nós não esperávamos receber uma proposta pelo Brum", concorda o presidente Giovani Gionédis, que confirmou o negócio e a quase certeza do acordo. "Só não assinamos tudo porque o presidente da Acadêmica está em Braga (o time enfrentou ontem o Sporting local). Mas está 99,9% fechado", resume.

As conversas começaram na quarta. "Eles me ligaram perguntando se eu tinha interesse de ir para Portugal. Respondi dizendo que, se era para ir para lá, teriam que me comprar do Coritiba. Quando eles conversaram pela primeira vez, não houve acerto, porque o presidente estipulou um preço pelo passe", conta Brum, que não quis comentar valores – o Cori teria pedido cerca de 1,6 milhão de euros, quase R$ 6 milhões.

E se a Acadêmica não topou negócio nestes valores na quarta, ontem aceitou. "Eles teriam conseguido uns parceiros para acertar a minha contratação", comenta Brum. "É uma negociação de valores bastante interessantes para o Coritiba", reconhece Giovani Gionédis. Mais ainda ao saber que o Senador repassou a metade dos direitos federativos que lhe cabia para o Coxa. "Eu fiz isso porque sei que o clube precisa deste dinheiro, e que é a hora de demonstrar a gratidão que tenho pelo Coritiba", confessa o volante.

Roberto Brum garante que poderia ficar no Coritiba, mas preferiu tomar uma decisão que agradou o clube e a família, e que teve razões espirituais. "Eu tenho como maior meta de vida ajudar as pessoas a encontrar o caminho de Jesus. E é algo que posso fazer em Portugal. Claro que há a questão profissional, a proximidade dos grandes centros europeus, mas sei que no Coritiba teria tanta projeção quanto na Acadêmica", relata o Senador.

Com a contratação definida ("só faltam detalhes burocráticos"), Brum já prepara a ida para Portugal – ele deve viajar na segunda para assinar um contrato de três anos e meio, com opção de renovação por mais um. E sonha não só com o futuro em Coimbra, mas com o final da carreira. "Quero dar à Acadêmica o que eu consegui dar ao Coritiba. E, depois, voltar ao Coxa para encerrar a carreira. Eu e o Alex", finaliza.

Sevilla "salva" o Cori com R$ 9 milhões

Adriano já está de malas prontas para a Espanha. O ex-lateral do Coritiba segue hoje para ser o quarto brasileiro do Sevilla, quinto colocado no campeonato nacional e um dos 32 times qualificados para a fase de "mata-mata" da Copa da Uefa. O negócio, confirmado oficialmente pelos dois clubes, envolve 2,5 milhões de euros – mais de nove milhões de reais, e dá ao jogador a chance de se firmar no mercado internacional com um contrato de cinco anos (renovável por mais um, com multa rescisória de 50 milhões de euros) e a visibilidade que pode ser decisiva em uma convocação para a seleção brasileira.

A saída do lateral-esquerdo fora anunciada pelo Coritiba no início do ano, mas até esta semana o clube não recebera nenhuma proposta oficial. "O Sevilla manifestou interesse só agora", confirma Adriano, que foi informado da negociação pelos seus procuradores. Os contatos iniciais foram entre eles e o clube espanhol, que depois investiu sobre a diretoria alviverde.

E esta possibilidade se garantiu com a vontade de Adriano ser negociado agora. "Eu tinha me comprometido com o presidente a fazer isto. E era natural, porque foi o Coritiba que me abriu as portas do futebol brasileiro, que me deu a chance de jogar e ser convocado para a seleção. Eu tinha a obrigação de dar retorno para o clube, até para sair daqui pela porta da frente", comenta o lateral, que já é chamado na Europa pelo sobrenome Correia – ou como Adriano Correia.

O fato do clube ser o Sevil-la também pesou. "É um dos grandes do futebol espanhol, está bem nos campeonatos que está participando, e tem vários brasileiros", festeja Adriano, lembrando a presença de Renato, Daniel Alves (seu companheiro na conquista do título mundial sub-20, em 2003) e Júlio Baptista. Este, por sinal, incentivou o ex-jogador coxa a ir jogar na Espanha. "Ele me telefonou dizendo que eu vou ser bem recebido por lá".

Só que o acerto não foi tão fácil – e a quinta foi tensa para o jogador. "Eu fui informado de que o acerto estava próximo na manhã. Só que faltavam detalhes entre os clubes, e o dia foi passando e o contrato não era fechado. Só à noite que tudo acabou bem para todo mundo", relata Adriano. O valor do negócio não foi confirmado no Coritiba, nem a informação de que metade dos direitos federativos do jogador eram do empresário Juan Figger. "Foi um acerto muito bom para o clube", resume o presidente Giovani Gionédis.

Adriano deixa o Alto da Glória após uma ascensão meteórica. Ele saiu, aos 17 anos, do time juvenil diretamente para a equipe profissional. Em dois anos e meio, o lateral conquistou títulos no Coxa e na seleção brasileira e tornou-se um dos principais jogadores do País na posição. "Isso eu tenho que agradecer à diretoria do Coritiba e ao Paulo Bonamigo e ao Antônio Lopes, que me auxiliaram bastante", afirma o jogador, que – assim como Roberto Brum – também quer encerrar a carreira no clube. "Quero voltar", finaliza.

Com as saídas, Lopes tem que mexer no time

As negociações confirmadas ontem mexeram também na estrutura do Coritiba que joga amanhã, às 16h, contra o Cianorte, no estádio Albino Turbay. Se Adriano estava fora dos planos de Antônio Lopes, Roberto Brum era titular e capitão do time. E, com isso, a equipe acaba sofrendo mais uma alteração, além da entrada de Alexandre no lugar de Vágner – Márcio Egídio ganha uma vaga no Coxa.

Lopes deixou o treino de ontem, no CT da Graciosa, com o time montado, mas se obrigou a alterar a equipe. Só que a estrutura tática do Coxa não será modificada – em tese, a marcação ganha força, pois Egídio é mais ?pegador? que Brum. Assim, o onze titular para encarar o Cianorte terá a seguinte formação: Fernando; Miranda, Flávio e Alexandre; Jucemar, Márcio Egídio, Luís Carlos Capixaba, Marquinhos e Ricardinho; Negreiros e Luís Carlos.

Mais um?

Outro jogador do Coritiba pode ir para o exterior. O centroavante André Nunes teria propostas do futebol coreano, e caso não acerte pode ser emprestado para Malutrom ou Rio Branco. Em contrapartida, é certo que agora os reforços pretendidos pela comissão técnica serão contratados.