Valquir Aureliano
Keirrison ficará em Curitiba
se preparando pro Paranaense.

Com o elenco em transição no início de 2006, o Coritiba apostou fichas em novatos com bom desempenho na Copa São Paulo de Juniores. Surgiram assim alguns dos poucos destaques da temporada, como Keirrison e Henrique, além de Carlão, Marlos e Pedro Ken – outras peças úteis no time profissional. Enquanto a diretoria escava o mercado atrás de reforços, a comissão técnica alviverde observará atentamente a Copinha em busca de novas preciosidades.

Com tempo escasso para montar o time, o técnico Gilberto Pereira delegou ao auxiliar Edison Borges a tarefa de assistir aos jogos do ?Coxinha?.

A indicação, em teoria, não poderia ser mais adequada -Edison treinou os juniores nos últimos cinco anos e conhece todos os atletas que representarão o Alviverde, agora sob o comando do ex-companheiro Pachequinho.

Entre os candidatos a novos Henrique ou Keirrison, o assistente destaca o zagueiro Bruno, o lateral-esquerdo Nelsinho e os volantes Dirceu e Jean. O meia Rui, 17 anos, canhoto, mereceu menção especial. ?Como a posição é carente no profissional, e ele tem grande potencial, será observado.

É bastante jovem, mas tudo dependerá de seu desempenho. O Inter teve um campeão do mundo com 17 anos?, exemplificou Borges, referindo-se a Alexandre Pato, titular do Colorado na decisão do Mundial da Fifa.

Mesmo nominando os possíveis destaques, Edison faz uma ressalva – juniores surpreendem e decepcionam com freqüência espantosa.

Há uma prova bem recente – Rafinha, hoje destaque do poderoso Schalke 04 (Alemanha), era reserva de James, ainda uma promessa, na Copa São Paulo de 2005. ?Já saí na primeira fase quando esperava ser campeão e já fui semifinalista com time de expectativa menor?, diz o auxiliar.

Para a edição de 2007, a Federação Paulista de Futebol radicalizou e reduziu a idade limite para inscrição de atletas (só jogam os nascidos de 1988 para cima).

O vácuo excluiu jogadores que poderiam despontar no último ano de júnior, como o zagueiro Felipe. O lateral-esquerdo Carlão e os meias Pedro Ken e Marlos se encaixam neste quadro, mas de qualquer forma não disputariam a Copinha, por já estarem integrados ao profissional. Keirrison, que ainda tem idade para jogar o torneio, também fica treinando para o Paranaense-2007.

Paulistas no caminho do Coritiba

O Paulista, um dos principais rivais do Coritiba na Série B de 2006, será o primeiro adversário alviverde na edição 2007.

O jogo é no Couto Pereira, na semana de 8 a 12 de maio (datas e horários exatos serão confirmados pela CBF até fevereiro).

Os jogos seguintes são contra Gama (fora), Ituano (fora) e São Caetano (em casa) – veja a tabela completa na página 23.

Jogos contra times de São Paulo, por sinal, serão uma constante para o Alviverde – 16 dos 38 confrontos da competição, ou 42% do total. Na edição deste ano, atuar no

estado vizinho foi um dos maiores dramas para o Coxa, que lá perdeu cinco vezes e empatou uma. Em 2007, com a presença de Ponte Preta, São Caetano e Grêmio Barueri na Série B, e descontada a ausência do Guarani, rebaixado para a Série C, o número de paulista na Segundona subiu de seis para oito.

Na penúltima rodada, o Coxa desafia mais um paulista – o Marília, no Couto Pereira. Na jornada derradeira, em 24 de novembro, o duelo é com o Santa Cruz, em Recife.