A nota enviada anteriormente continha um erro no título. Segue a versão corrigida

Num momento em que, no Brasil, questiona-se a redução no respeito dos adversários pela seleção brasileira, na Europa esse sentimento passa longe. Em entrevista publicada neste domingo pelo jornal espanhol El País, Andrés Iniesta, ícone da sua seleção, mostrou quão motivado está por tentar vencer a Copa das Confederações.

Questionado se haveria uma “preguiça” da Espanha em jogar um campeonato de menor expressão após uma temporada tão longa, ele foi veemente. “Está louco?”, questionou ao repórter. “Preguiça de jogar contra o Brasil? Nunca! Me dá uma enorme motivação. Veja os participantes e não há nada de menor”, disse ele.

Iniesta, em seguida completou: “Me lembro criança, em Fuentealbilla (sua cidade natal), vendo a Copa do Mundo na TV, e nem sonhava que um dia a Espanha ganharia um Mundial, ainda mais comigo no time. Saber que vamos ao Brasil, que vou pisar no Maracanã…”, suspirou o jogador, comemorando também a chance de “aprender uns passos de samba”.

O meia do Barcelona lembrou que não disputou a Copa das Confederações de 2009, vencida pelo Brasil, e agora quer conquistar este título pela primeira vez. “Para mim é sempre importante estar na seleção. Significa ter a oportunidade de jogar um torneio do qual nunca participei, num país onde nunca joguei, e que, além disso, não é um país qualquer para o futebol. Em 2009 estava machucado, mas hoje estou em perfeitas condições”, comentou.

Iniesta também defendeu que a equipe continue jogando sem um centroavante de área, como tem sido desde que Fernando Torres entrou em decadência. “Com um 9 falso ganhamos a Eurocopa. Estamos obrigados a fazer coisas diferentes para surpreender o rival. Espanha tem um grande estilo de jogo e a intenção é melhorar a cada dia.”