Com a confirmação do argentino Martinuccio, o Coritiba está com seu elenco “completo” para a última semana cheia antes da retomada do Campeonato Brasileiro. O diretor de futebol Anderson Barros garante que o clube sempre estará aberto a novas possibilidades, mas momentaneamente o grupo não deverá sofrer ajustes. O técnico Celso Roth terá uma sequência de jogos – a maioria deles em finais de semana – para encontrar a formação ideal, agora com reforços do nível de Martinuccio e Elber.

Mostrou serviço

No jogo-treino da última quinta-feira, Elber já deu sinais de que veio para o Alto da Glória disposto a conquistar uma posição no time titular. Entrou em campo aos 23 minutos, deu dinâmica ao setor ofensivo e ainda marcou um gol na vitória sobre o Camboriú. Agora com o gringo à disposição, o leque de opções aumenta. Resta saber se isso irá se refletir em algum ajuste tático ou se Roth irá apenas substituir peças. No caso da segunda opção e imaginando que Martinuccio não chegou para disputar posição com Alex, ele passa a contar com pelo menos cinco jogadores em condições de ocupar os “corredores”.

Concorrência

O Coritiba viveu seu momento de maior estabilidade na temporada – entre jogos da Copa do Brasil e o início do Brasileirão – com Robinho e Gil fazendo uma “segunda linha” pelos lados do campo, à frente dos laterais. Com as contratações efetuadas, a tendência é que Gil (que ainda não participou de treinamentos com bola, pois estaria recuperando a condição física) passe a disputar uma posição entre os volantes. Assim, Robinho, Martinuccio, Elber, Zé Love e Geraldo seriam as alternativas nesse esquema 4-2-3-1.

O próprio Martinuccio fez questão de frisar que não se vê “disputando posição” com o craque Alex. “Ele é um meia-armador, que organiza o time e distribui as jogadas. Sou mais um meia-atacante. Busco dar velocidade ao setor ofensivo”, disse o argentino, em sua primeira coletiva. Emprestado pelo Fluminense até o fim da temporada, o jogador garante que está pronto para iniciar os treinamentos técnicos e táticos, dependendo do desejo de Celso Roth. “Se ele precisar, estou pronto”, cravou.

Trabalho

A última semana de intertemporada será marcada por vários treinos táticos e um jogo-treino na quinta-feira – frente ao Paraná Clube – onde o treinador deverá fazer os ajustes derradeiros antes do início de uma corrida de recuperação. A partir do dia 16, quando o Verdão recebe o Figueirense, a meta é uma só: vencer ou vencer, visando uma fuga imediata da zona do rebaixamento. “Uma vitória já neste primeiro jogo pode nos tirar dessa posição incômoda. Então, é isso que a gente precisa, para ganhar fôlego e emplacar uma sequência de bons resultados. Isso nos daria confiança e credibilidade”, arrematou o meia Robinho.