Acontece hoje uma reunião que pode selar o futuro do meia Alex no Coritiba. No encontro para aparar as arestas com o presidente Vilson Ribeiro de Andrade – com quem abertamente mantém uma relação cada vez mais desgastada-, deve ser colocado em pauta os erros que levaram o planejamento da temporada ser considerado um fracasso, além dos planos do Alviverde para 2014. No entanto, se as partes não se entenderem, o ambiente para Alex permanecer fica insustentável. “É um clube que eu não conheço, que não sei o que esperar para o ano que vem. Por isso que tenho que sentar com o presidente, e ver realmente aquilo que é o desejo do clube para o próximo ano”, afirma Alex.

O próprio jogador, que sempre foi categórico ao garantir sua continuidade, independentemente de qual divisão o clube disputasse em 2014, já não demonstra a mesma convicção de outros tempos. O principal motivo para colocar em cheque sua permanência, e cogitar alterar o projeto pessoal de encerrar a carreira no clube que torce é seu descontentamento com a atual diretoria. Em especial, com o presidente Vilson Ribeiro de Andrade, que expôs publicamente o elenco pela acentuada queda de rendimento no Brasileirão.

Sem concordar com o ponto de vista do mandatário alviverde, Alex faz questão de ressaltar que sua insatisfação em nada tem a ver com sua relação com o clube. “Essa insatisfação minha não é uma insatisfação com o clube, é pessoal. Estou muito satisfeito com o Coritiba, pra mim valeu muito à pena retornar ao clube”, salienta. Apesar de ter contrato até o fim do ano que vem, se a mágoa não for superada, Alex pode mudar de ares e ir para o Palmeiras, que deve oficializar o antigo interesse em contar com o meio-campista no ano de seu centenário ainda nessa semana.

Uma das armas do time paulista seria o técnico Gilson Kleina, padrinho de casamento do jogador. “Kleina é um amigo. Mais que isso, é meu padrinho de casamento. Me ajudou muito quando eu era menino. Mas isso não muda nada”, despista.