O técnico Renato Gaúcho lança mão de um último recurso para tentar evitar a queda do Vasco da Gama para a Segundona. Mas não é nada que sua equipe possa fazer para vencer o Coritiba e continuar viva no Brasileirão.

O treinador do time cruzmaltino simplesmente quer que o Alviverde entregue a partida. Só “isso”. Tudo para que o Coxa veja o arqui-rival Atlético ir para a segunda divisão.

“Espero que a torcida do Coritiba pense bem. Eles devem ter sofrido bastante quando o time foi rebaixado. E deve ter sido bastante sacaneada pela torcida do Atlético. Então eles que pensem bem”, disse Renato.

Mas o argumento não irá motivar os torcedores a pedir a derrota aos jogadores que forem ao campo. Para eles, o clube do Alto da Glória é muito grande para fazer “corpo mole” e que os cariocas que se preocupem consigo mesmo.

“Acho isso um absurdo. Gostaria muito que eles (Rubro-Negro) caíssem, mas não vou torcer contra o meu time”, avisou Andréa Grosso. Para ela, o clube precisa preservar a imagem que tem. “Alguns são capazes de torcer contra o Coritiba, mas seria ridículo para o clube se isso acontecesse”, aponta a torcedora, que já garantiu que vai marcar presença amanhã no Couto Pereira.

O torcedor Fernando Cabral concorda com Andréa. “Acho que o time não pode entregar, não. O Coritiba é muito grande para entregar. Se o Vasco for depender do Coritiba pode ir já para a Segundona”, analisa.

Para ele, os cariocas nem merecem um jogo fácil pelo que fizeram em São Januário com a delegação alviverde em 2005. “O Coritiba sempre recepcionou bem o Vasco e lá não teve o mesmo tratamento (quando alguns torcedores invadiram o estacionamento e brigaram com os jogadores)”, relembra. E mais. “O Vasco não caiu antes por interferência do Eurico (Miranda, ex-presidente)”, avalia Cabral.

Por isso, se depender da galera, amanhã o Vasco deve amargar o primeiro rebaixamento no Brasileirão. Se o Náutico vencer o Atlético e os cariocas não vencerem o Coxa a Segundona é certa.

O pior é que um cartola do time carioca revelou que Renato ganhará um prêmio caso livre o time da Segundona. Mas a bolada vale apenas para o treinador. Os jogadores não vão receber nada se conseguirem a façanha de manter o time da Colina na Série A. Assim, o próprio clima interno no Cruzmaltino deve estar fervendo, aliado à qualidade duvidosa da equipe que é a antepenúltima na competição.