Com a postura adotada pelo Atlético, de se fechar e nem ter seus jogos transmitidos pela televisão, ficou mais difícil para o Coritiba ter informações do rival que irá a campo no clássico de domingo. Porém, o Coritiba tem um grande trunfo para desvendar esse mistério. Antes de chegar ao Coxa, em 2009, o técnico Marquinhos Santos trabalhou no Rubro-Negro, entre 2005 e 2009. Neste período, muitos dos possíveis titulares do adversário foram treinados pelo comandante alviverde desde o sub-15. “Tive uma passagem maravilhosa nas categorias de base do Atlético, com muitas conquistas e muitos atletas sendo revelados. Deste elenco do Atlético, muitos eu aprovei no sub-15, na época, passando por sub-17, sub-20, até chegar no profissional”, lembrou.

Porém, apesar de todo o conhecimento, Marquinhos Santos não acredita que isto possa ser decisivo para o clássico. Segundo o técnico, a postura tática do Atlético, e a evolução que cada atleta teve ao longo dos últimos anos, faz com que outros detalhes possam ser mais relevantes. “Em um clássico, isso não tem peso. Não há tanta vantagem em conhecê-los. Até porque, é um outro momento, uma outra equipe. Claro que a característica de cada jogador não muda, mas na questão tática a evolução deles não dá tanta referência conhecê-los desde pequenos”, afirmou.

Por isso, independentemente de qual Atlético entrar em campo – o sub-23 ou o principal -, Marquinhos Santos garante que o mais importante é se preocupar com a postura do próprio Coritiba. “Tanto uma equipe quanto a outra, conhecemos muito bem. Acompanhamos vários jogos, está sendo monitorado, mas estamos preocupados com o nosso trabalho. Claro que temos que nos preocupar com o Atlético. A informação é válida quando chega com antecedência, mas nós temos que estar preocupados com o que estamos fazendo aqui”, completou.

Time

No treino de ontem, Marquinhos Santos abriu mão do 3-5-2 e escalou o Coxa no 4-3-3, com Pereira sacado para a permanência de Júlio César no ataque. Na lateral-esquerda, Eltinho substituiu Patric, poupado, enquanto no meio-campo Junior Urso começou no lugar de Robinho. “São situações que a gente trabalha. Se não entrar, pode ser usada no decorrer do jogo. O importante é estar trabalhado e ter variações”, explicou o técnico. O Coritiba, ontem, foi formado por Vanderlei, Gil, Leandro Almeida, Chico e Eltinho; Willian, Junior Urso e Alex; Rafinha, Julio César e Deivid.