Atibaia – A contratação do volante paraguaio Luis Cáceres, apresentado oficialmente ontem pelo Coritiba em Atibaia, marca a retomada do garimpo do clube no mercado sul-americano. Depois de ter três argentinos no elenco em 2013 – o zagueiro Escudero, o lateral-esquerdo Iberbia e o meia Botinelli -, o Coxa abandonou a estratégia.

Uma tática que já deu muitos frutos no Alto da Glória. Na centenária história do clube, há muitos gringos que fizeram sucesso com a camisa verde e branca.

De acordo com um levantamento feito pelos Helênicos, grupo de torcedores dedicados a estudar a história alviverde, o argentino Dreyer foi quem mais jogou pelo clube: foram 132 partidas na década de 70. Depois aparecem o angolano Geraldo (119 jogos), o argentino Ariel (84) e o paraguaio Struway (79).

Cáceres, inclusive, diz que o conterrâneo Struway é um velho conhecido. “Eu tive a oportunidade de trabalhar com ele no Cerro Porteño. Ele era o treinador e eu jogava”, explicou o volante.

O paraguaio é um desejo antigo do Coritiba. Há dois anos o nome do jogador ronda a lista de possíveis reforços do clube. Ele tem ciência da responsabilidade, ainda mais que tende a ser o único estrangeiro do grupo.

“Eu tenho que me esforçar muito para poder jogar e manter um nível alto”, ressaltou ele, que terá a concorrência de outros cinco volantes por um lugar no meio de campo do time – João Paulo, Pedro Ken, Alan Santos, Rosinei e Hélder. “Eu sozinho não vou ganhar o jogo.

Preciso dos meus companheiros. Todo mundo tem de ajudar para chegarmos ao sucesso todos juntos”, reforçou Cáceres, que busca retomar o bom momento vivido pelo Vitória, seu ex-clube, em 2013, já que passou boa parte da temporada passada se recuperando de uma série de lesões.