O gol marcado por Keirrison contra o Cruzeiro, domingo, além de deixar o Coritiba em melhores condições para espantar o fantasma do rebaixamento, pôs fim a uma espera de cinco anos. A última vez que o atacante havia balançado as redes no Couto Pereira havia sido pelo Campeonato Brasileiro de 2008. Seu último grande momento vivido no Alto da Glória aconteceu na goleada por 5 x 1 contra o Santos. Na oportunidade, o camisa 9 fez barba, cabelo e bigode ao marcar 4 gols.

Por isso, o xodó da torcida alviverde viveu um dia atípico ontem. A ponto de o K9, depois de muitos anos, ter a agenda lotada ontem. ‘Não tem como esquecer. Hoje (ontem) é um dia muito feliz pela partida de ontem (domingo). A emoção acabou acontecendo naquele momento (do gol, até pelo amor e a história que tenho dentro do clube. Chorei e tirei tudo aquilo que estava guardado dentro de mim. Fui muito feliz no lance e pude ajudar o time’, declarou Keirrison, em uma das várias entrevistas que concedeu.

A emoção à flor da pele descrita pelo jogador, e testemunhada pelos mais de 16 mil torcedores presentes no Couto Pereira, é justificada por várias razões. Mas, principalmente, por Keirrison ter voltado a ser decisivo a favor do clube que o projetou para o futebol, e justamente no palco onde seu talento tornou-se internacionalmente conhecido. Na temporada de 2008, vestindo a camisa 9 do Alviverde, que lhe renderia o apelido de K9, o atacante balançou as redes 41 vezes – 18 pelo Paranaense, 2 pela Copa do Brasil e 21 pelo Brasileiro. Com 20 anos na época, e valorizado por ter se tornado o artilheiro do nacional, Keirrison despontava como a principal revelação do futebol brasileiro daquele ano.

Com 25 anos e quatro graves lesões em seu currículo, o atacante segue em processo de recuperação da mais recente cirurgia. Porém, próximo de atingir 100% de sua forma física e sentindo-se fortalecido para ajudar o Coritiba a salvar a temporada. “Ainda sinto algumas dores, o que é normal na recuperação do joelho, mas minha musculatura vai ficando mais forte, e isso diminui as dores. Me sinto muito melhor nas últimas semanas e ainda não alcancei o 100%, mas estou nesse caminho’, finaliza o jogador.