Um dia depois de ser eliminado da Copa do Brasil para o Juventude, em pleno Couto Pereira, o Coritiba deu uma boa notícia para a torcida alviverde. Em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (20), a diretoria coxa-branca confirmou que o zagueiro Juninho, mesmo com propostas oficiais do Flamengo, do Lyon da França e do Dinamo de Kiev da Ucrânica, vai permanecer no clube e cumprir seu contrato com o Verdão, que agora vai até 2020.

Com isso, o defensor alviverde, que poderia terum salário de até R$ 120 mil no Flamengo,terá um reajuste salarial no Verdão e o Coritiba vai tentar adquirir 35% dos direitos econômicos de Juninho junto ao Junior Team, clube de base do jogador. O presidente alviverde, Rogério Portugal Bacellar, comentou os motivos que fizeram o atleta permanecer no clube.

“Em momento algum quisemos nos desfazer do atleta. Houve propostas de vários clubes que queriam o Juninho. Estudamos com muito carinho, juntamente com o agente do Juninho, com o Junior Team e com a família dele. Chegamos a conclusão que não era o momento dele sair do Coritiba. O Coritiba em nenhum momento quis. Teve boas propostas, mas o Coritiba teve condições de fazer uma proposta parecida. Para ele (Juninho) foi bom e para o clube foi bom”, declarou Bacellar.

Juninho, que diante do Juventude estava visivelmente abalado pela situação fora de campo, ressaltou que está mais tranquilo e garantiu que a decisão de continuar no Verdão foi a melhor escolha que poderia fazer nesse momento.

“A decisão foi difícil, a gente fica feliz pelas propostas que chegaram com relação a mim, fica feliz por um lado, feliz por ficar e foi uma decisão acertada minha. Estou feliz pelo apoio que eu recebi dos torcedores. Estou tranquilo e a cabeça tem que ser sempre mantida nas competições. É através dessas competições, dos jogos, que as propostas chegaram. Vou manter a cabeça a cabeça tranquila para ajudar o Coritiba”, emendou o zagueiro coxa-branca.

O diretor de futebol do Coritiba, Valdir Barbosa, que participou de toda a negociação envolvendo a permanência do zagueiro Juninho, ressaltou a força que o clube fez para manter o defensor. A vontade de toda a diretoria de manter o grupo e do jogador permanecer foram, para o cartola, elementos fundamentais para o defensor ficar no Coxa.

“O peso maior de tudo isso é a manutenção do grupo e a vontade de todos de manter a base nesse Campeonato Brasileiro. Também a intenção do Juninho continuar nesse projeto do Coritiba para, em um futuro a médio ou longo prazo, não sei, alcançar novos voos, que agora dependem do mercado internacional. É difícil você negociar com Lyon, Dinamo de Kiev, com o Flamengo rondando, e o Coritiba ganhar a parada é muito difícil. Mas o Juninho teve a vontade de ficar e a intenção do presidente manter a base desse grupo facilitaram um pouco mais a coisa”, concluiu Barbosa.