Apesar de ter liderado a última leva de contratações de jogadores veteranos (Kléber, Marcos Aurélio, Wilson, Lúcio Flávio), o principal legado de Ernesto Pedroso no Coritiba é a manutenção do atacante Rafhael Lucas e dos laterais Henrique e Rodrigo Ramos no clube – os três são as principais revelações das categorias de base do clube, e tiveram seus vínculos ampliados enquanto o dirigente tinha a caneta para cuidar do futebol alviverde.

Artilheiro do Campeonato Paranaense com 12 gols, o atacante Rafhael Lucas tem seus direitos econômicos e federativos sob a tutela do Coritiba até dezembro de 2020. É o jogador do atual elenco com o contrato mais longo. Outra revelação que renovou foi o lateral-direito Rodrigo Ramos. O jogador disputou o Mundial sub-20 pela seleção brasileira e tem contrato com o Coxa até junho de 2020. Henrique, também prata da casa, está vinculado ao clube até junho de 2019.

Após a saída do superintendente João Paulo Medina e do vice-presidente Ricardo Guerra, o Coritiba mudou o perfil de contratações, anteriormente focado em jogadores mais jovens. Com a mudança diretiva, foi Pedroso quem passou a avalizar a chegada de jogadores mais experientes, com contratos bem mais curtos.

Pedroso também apostou em jogadores que buscam no Coritiba uma nova oportunidade em suas carreiras, passando ao status de “apostas tardias”. Neste caso se enquadram Bruno (final de 2018), Thiago Galhardo (julho de 2018), Ruy (maio de 2018), Alan Santos e Fabrício (final de 2017), Negueba, Wilson, Giva, Cáceres e João Paulo (final de 2016).

Não vingou

Pedroso também trouxe cinco jogadores por empréstimo durante o tempo que ficou à frente do futebol, mas todos já foram devolvidos. Nenhum deles conseguiu emplacar. É o caso do zagueiro Welinton, que chegou a renovar seu empréstimo, mas acabou vendido para o Catar. O quase xará Wellington Paulista ficaria até o final do ano, mas foi vendido pelo Inter para o Fluminense. O volante Pedro Ken foi devolvido ao Vitória, assim como Mazinho voltou ao Palmeiras e Wallyson foi para o ABC-RN.

Turbilhão! Leia mais do Coxa na coluna do Massa!