A saída do lateral-direito Ceará para o Internacional abriu espaço de vez para o jovem Dodô, de apenas 17 anos, no Coritiba. O jogador, apesar da pouca idade e de ser o atleta mais novo que está disputando o Campeonato Brasileiro, é a única opção do Verdão para a posição e sabe da responsabilidade que tem.

“Sempre quando entrava, eu estava jogando tranquilo, mas agora a responsabilidade é maior. Quando o Ceará estava aqui, ele era capitão do nosso time e estava sempre na frente falando com a gente. Ele tinha bastante experiência e falava bastante com a gente. Tenho jogado solto e, graças a Deus, tenho feito bons jogos. Vou continuar dando o meu melhor para ajudar o Coritiba”, garantiu a jovem .

Mais do que ser o único lateral-direito do atual elenco, Dodô frisou que, sob o comando do técnico Paulo César Carpegiani, tem muito a crescer com a camisa coxa-branca. Isto porque o treinador, adepto de ter uma defesa mais consistente, cobra do lateral uma marcação mais eficiente durante as partidas.

“É um bom treinador e tem passado bastante experiência. Ele falou para ter vontade de marcar. Eu aposto bastante na velocidade, não sou de jogar com contato a toda hora para ser igual ao Luccas Claro e ao Nery Bareiro. Ele quer uma zaga consistente, ele passou o conselho nesse jogo e dei uma melhorada. Não fazia isso. É um técnico bastante experiente, que passa para a gente o que viveu e o time vai dar muitas alegrias no final do ano”, emendou ele.

Com a saída de Ceará, o Coritiba deve olhar novamente para o mercado para reforçar a sua lateral-direita. Além de Dodô, outra opção para a posição, mas de forma improvisada, seria a entrada do zagueiro Walisson Maia, que já atuou nessa função em outras oportunidades. O jogador, porém, está em tratamento no departamento médico se recuperando de uma entorse no tornozelo.