Calejado por uma irregular campanha ao longo de 2013, o Coritiba começa a rever alguns conceitos para a próxima temporada. E busca inspiração até no rival Atlético. Longe de ser pioneira, a primeira medida no planejamento consiste em iniciar as disputas do Campeonato Paranaense, dia 19 de janeiro, com uma equipe recheada de jovens atletas. No Paranaense deste ano, o Furacão levou a campo seu time sub-23 e fez frente ao próprio Alviverde.

‘Em princípio, o grupo que inicia o Paranaense vai ser treinado pelo professor Zé Carlos, do sub-20, e teremos o Edson Borges que vai dar uma ajuda no processo da comissão técnica com o profissional. A ideia é essa, mas o Dado (Cavalcanti, técnico do time principal) vai definir com o Mário (André Mazzuco, superintendente de futebol). Mas em linhas gerais, o processo é esse’, antecipou Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do clube. O principal motivo é priorizar o período de pré-temporada do grupo principal, evitando um desgaste exacerbado dos jogadores titulares.

Em 2013 alguns dos jogadores mais importantes do elenco estiveram em campo já na estreia do Paranaense: o goleiro Vanderlei, o zagueiro Chico, os volantes Júnior Urso e Gil, além ainda do meia Robinho – todos titulares durante grande parte do ano – participaram do empate sem gols contra o Operário, em Ponta Grossa. Na 2.ª rodada, também fora de casa e contra o Paranavaí (2×2), foi a vez do meia Rafinha, que mais tarde deixaria o clube negociado com o mundo árabe e o experiente atacante Deivid debutarem na temporada. Igualmente precoce, a estreia de Alex no ano aconteceu ainda em janeiro, no amistoso contra o Colón da Argentina no Couto Pereira (1×1). Com o grupo principal atuando desde a 4.ª rodada, o Coritiba sobrou no primeiro turno da competição e alcançou seu auge na preparação física, justificada pelos resultados em campo, no período entre as finais do Paranaense e a reta inicial do Brasileiro. Mas a conta pelo desgaste foi cobrada na continuidade da temporada, quando o grupo sentiu a alta sequência de jogos e registrou uma queda vertiginosa de produção, quase sendo rebaixado à Série B. ‘Os nossos profissionais terão 30 dias de férias e voltarão somente no dia nove (de janeiro). Então eles terão o mês de janeiro inteirinho (sic) para a pré-temporada (em Foz do Iguaçu)’, afirma o presidente.

Estratégia do rival

Diferentemente do Coxa, o Atlético iniciou o ano com uma equipe sub-23, e sob muita desconfiança de que poderia alcançar as fases agudas do Paranaense. Mesmo sagrando-se vice-campeã pelo quarto ano consecutivo, e para o arquirrival alviverde, o jovem time chegou a vencer com autoridade o principal do Coritiba (3×1, em partida disputada na Vila Olímpica e válida pela 10.ª rodada do 2.º turno), além ainda de ter cumprido seu papel: garantir ao grupo principal uma pré-temporada completa.