Apesar de estar na 12.ª colocação do Campeonato Brasileiro, e a nove pontos da Libertadores, o Coritiba tenta encontrar o ânimo necessário para as oito rodadas finais. Apesar do conformismo geral dos torcedores, de que o time não chega ao almejado torneio continental, comissão técnica e jogadores não querem se deixar contaminar e mantêm a intenção de chegar entre os primeiros colocados.

Para isso, o Alviverde teria que engrenar uma sequência digna de Guinness Book e vencer as oito partidas restantes para chegar lá e contrariar a matemática, que só dá 6,6% de possibilidade de isso acontecer. “Toda semana a gente busca orientar, mobilizar e isso é um trabalho constante que a gente tem que estar sempre fazendo. Essa época do ano administra-se mais um trabalho intenso de preparação física e técnica e conversa-se muito”, analisa o técnico Marcelo Oliveira.

Na visão dele, o time não pode se deixar influenciar pelos comentários da torcida. “A grande situação agora é você deixar, de dentro para fora, acharem que não tem jeito mais. Tudo é possível no futebol quando a pontuação permite”, avalia. Mas para chegar aos 64 – projeção do site chancedegol.com.br -será difícil. “Ficou distante, mas matematicamente ainda temos chances de encaixar uma sequência de vitórias e ficar próximos”, calcula o volante Willian.

Para ele, o time não pode deixar de acreditar. “A gente está acreditando a todo momento. Inclusive no aniversário do clube muitos torcedores vieram falar com a gente nos dando apoio”, diz o jogador. Mas independentemente disso, ele garante que os próprios atletas não jogaram a toalha. “Essa motivação vem de fora e vem de nós mesmos. Temos um compromisso entre nós mesmos, com o clube inteiro”, promete.

Pelo sim, pelo não, a meta é encarar o São Paulo como o primeiro degrau. O confronto contra o Tricolor será às 16h de domingo no Morumbi.