A queda para a segunda divisão em 2009 custou caro ao Coritiba. O clube, que já tinha investido pesado para a comemoração do centenário e amargado prejuízo de R$ 9,8 milhões, encerrou o ano passado com o passivo alcançando a marca de R$ 13,9 milhões.

Os números fazem parte da demonstração do resultado do exercício do balanço publicado pelo clube. A principal explicação está no investimento feito no futebol para voltar à elite, que quase igualou do ano anterior quando o time estava na série A.

O clube informa que gastou R$ 28,6 milhões com o futebol profissional contra R$ 30,3 milhões no ano anterior. Mesmo com o rebaixamento, o torcedor voltou ao clube e rendeu R$ 9,3 milhões contra R$ 7,8 milhões na temporada de 2009.

No entanto, essa maior arrecadação não foi suficiente para cobrir os custos do clube, que passou a maior parte do ano viajando devido à interdição do Estádio Couto Pereira e da perda de dez mandos de campo na Série B.

Com menos receitas de transação de atletas (baixou de R$ 8 milhões para R$ 2,1 milhões) e patrocínios (R$ 2,3 milhões em 2010 ante R$ 3,5 milhões em 2009) o clube precisou recorrer a empréstimos bancários e antecipar verbas na CBF para pagar as contas.