Pela primeira vez em 2011 o Coritiba entrou em campo e não conseguiu marcar um gol sequer. Resultado: perdeu a invencibilidade de 29 jogos, encerrou a sequência de vitórias, que estava em 24, e sucumbiu ao Palmeiras por 2 x 0, ontem à noite, no Pacaembu.

Apesar do futebol irreconhecível, o Coxa conseguiu administrar a vantagem alcançada na partida de ida, quando goleou por 6 x 0, e segue adiante na Copa do Brasil.

Agora, encara o Ceará na próxima fase. A definição das datas acontece hoje à tarde na sede da CBF. Será a quarta vez que a equipe do Alto da Glória chega na semifinal da competição – antes, foi em 1991, 2001 e 2009.

Virtualmente classificado, o Coritiba jogava pensando na conquista da 25.ª vitória consecutiva. Ampliar o recorde era a maior motivação do time, pois até a comissão técnica admitia que administrou a partida de volta limpando a lousa e deixando Rafinha e Léo Gago de fora.

Um risco calculado, principalmente devido ao jogo de volta ser em São Paulo. Mais ainda, por que toda a pressão da torcida do Palmeiras em cima da equipe obrigou os jogadores a mostrarem serviço e correrem mais do que o habitual.

Por isso, a busca pela vitória pelos paulistas forçou o Coxa a se segurar como dava. Com a bola queimando no ataque, e a arbitragem tendendo mais para o time da casa, o Coritiba nem lembrou aquele tsunami dos jogos anteriores.

O nervosismo também atrapalhou e os desfalques fizeram falta. O Porco queria se redimir e sair da competição de cabeça erguida e pressionou. No 1.º tempo, Kléber e Chico tiveram boas chances.

Wellington Paulista chegou a ser derrubado na área, mas a arbitragem ajudou o Coxa. “Precisamos encaixar o contra-ataque”, pediu o técnico Marcelo Oliveira ao final da 1.ª etapa.

Mas nem deu tempo do time colocar em prática os pedidos do vestiário. Logo no 1.º minuto do 2.º tempo, Adriano deu uma leve desviada e atrapalhou Emerson, que tirou a bola das mãos de Edson Bastos. Bola na rede do Coxa.

Em seguida, Bill se excedeu na força, tentando uma bicicleta, e acabou expulso. Com um a menos, o Coxa tomou o segundo gol. Marcos Assunção acertou um petardo de falta do meio da rua. Com a invencibilidade perdida, o Coritiba foi pragmático e segurou o jogo até o apito final, garantindo-se entre os quatro finalistas da Copa do Brasil.