Após a vitória por 3 x 1 sobre o Toledo, na quarta-feira passada, e beneficiado pelo empate entre J.Malucelli e Paraná (2 x 2), o Coritiba retornou à liderança do Paranaense e depende apenas de suas forças para ganhar o primeiro turno. Caso se concretize a conquista, garante uma vaga na decisão. Porém, sem ainda ter convencido sua torcida. Com um elenco recheado de peças de renome nacional, como o zagueiro Leandro Almeida, os meio-campistas Rafinha e Alex e o atacante Deivid, a expectativa era que o Coxa atropelaria neste início de Estadual. Mas não é o que se vê. Por enquanto, tem imperado o futebol burocrático.

O técnico Marquinhos Santos admite que a equipe ainda não está no auge, mas ressalta que há uma evolução gradativa. “Chegou próximo do ideal [contra o Toledo]. Claro que ainda podemos evoluir muito, mas dentro das possibilidades conseguimos desenvolver um bom futebol. Lembro que até aqui trabalhamos mais em cima de estratégia de jogo e, a partir de agora, poderemos desenvolver mais os trabalhos técnico e tático. Isso vai fazer com que tenhamos melhor desenvolvimento de jogo”, apontou.

Os jogadores também sabem que ainda não tiveram uma atuação de gala este ano. Segundo Alex, a pressão para que o time aplique goleadas e jogue bem durante os 90 minutos tem sido grande, mas destacou que o importante agora é a liderança do Paranaense. “Existe uma pressão muito grande de que esse time vai ser forte. Não tenho dúvidas disso, mas não estamos lá ainda. Devido a isso, acontecem alguns vacilos, mas temos confiança no trabalho que está sendo feito”, disse o camisa 10.

O próprio Marquinhos Santos afirmou mais de uma vez que o objetivo inicial é faturar o tetra paranaense e que somente para o Campeonato Brasileiro é que o time estará devidamente encaixado. “Tenho falado desde o primeiro jogo que nosso objetivo é alcançar o tetracampeonato, algo que ocorreu apenas uma vez em toda história do clube”, completou o treinador alviverde.