Não teve pra ninguém. Sem dar chances aos adversários, o Coritiba faturou de forma invicta o primeiro turno do Paranaense 2011 e já garantiu vaga numa possível decisão do estadual. A última vítima foi a preferida da torcida alviverde: o Atlético, que caiu diante do Coxa com uma derrota por 4 x 2, ontem, no Couto Pereira.

A festa da torcida coxa-branca foi completa. Além de ver o time dar um importante passo rumo a seu 35.º título paranaense, o Cori ainda ampliou o tabu em Atletibas e já soma nove jogos sem derrota para o arquirrival. Se repetir o feito no segundo turno, o time do Alto da Glória garante o troféu sem necessidade de uma final.

Apesar de alguns sustos, o Coxa dominou completamente o clássico, com um futebol muito superior ao apresentado pelo Furacão. Enquanto o time comandado por Marcelo Oliveira se destacou pelo toque de bola e pela velocidade, o Atlético de Lenadro Niehues ficou marcado pelas falhas de marcação e a completa falta de criatividade no meio-campo.

Desde o início, o Coritiba deixou claro que não daria moleza para o rival. Já nos primeiros quinze minutos, criou três boas chances de gol, com Léo Gago, Davi e Bill. Enquanto isso, o Atlético praticamente assistia o adversário jogar e só levava perigo com uma arma nada secreta: a bola parada no pé de Paulo Baier.

Mas antes que o velho expediente do rival desse resultado, o Coxa praticamente definiu a parada. Aos 17, Marcos Aurélio avançou pelo meio e acertou um belo lançamento para Bill, livre na área. Com um corte, o atacante limpou a zaga rubro-negra, se livrou do goleiro Sílvio e abriu o placar, tocando para o gol aberto.

Aos 22, foi a vez do Cori usar a bola parada. Marcos Aurélio bateu escanteio, Jonas apareceu no meio da defesa atleticana e tocou de cabeça para a rede. O Atlético parecia apavorado em campo e, dois minutos depois, deu espaço para o adversário marcar mais um. Eltinho aproveitou uma verdadeira avenida pelo lado direito da defesa atleticana, invadiu a área e cruzou na cabeça de Davi, que fechava no segundo pau e anotou 3 x 0 para o Coxa.

O Furacão estava atordoado, mas o Coritiba diminuiu o ritmo. Com chance para respirar, o Rubro-Negro descontou. Aos 46, o lateral Paulinho cruzou no primeiro pau para Nieto. O gringo ganhou na força do zagueiro Emerson e, de cabeça, marcou um gol histórico: o milésimo na história do Atletiba.

A única opção do Atlético para o segundo tempo era atacar. No intervalo, Leandro Niehues sacou o lateral Marcos Pimentel para a entrada do meia Kléberson, que fez sua reestreia com a camisa rubro-negra. Mas o Xaropinho nem teve tempo de pegar na bola antes do clássico pegar fogo novamente. Já no primeiro minuto, Madson bateu escanteio e, mais uma vez, a bola encontrou Nieto no primeiro pau. O argentino mostrou que é bom na jogada aérea e marcou mais um, diminuindo para 3 x 2.

Mas a reação parou por ai. Depois do susto, o Coxa voltou a mandar na partida. O técnico atleticano ainda tentou mudar o panorama, com a entrada de Guerrón no lugar de um apagado Paulo Baier. Mas o equatoriano certamente iria preferir continuar no banco. Mal ele pisou no gramado, o Cori sacramentou a vitória. Aos 26, Rafinha bateu escanteio, a zaga desviou e a bola sobrou para Davi, que encheu o pé, vencendo o goleiro Sílvio.

Para fechar, Guerrón ainda foi expulso, após o bandeirinha dedurar uma cotovelada em Eltinho. Com um homem a mais, o Coritiba ainda teve boas chances de marcar o quinto, mas o placar de 4 x 2 bastou para a torcida alviverde fazer a festa no Couto, com direito a troféu e gritos de campeão.