A opção de priorizar a pré-temporada do elenco titular do Coritiba, que se apresenta somente dia 9 de janeiro, e inicia o Campeonato Paranaense com uma equipe alternativa pode perpetuar uma tradição do clube. Apontado como um celeiro de bons jogadores revelados ao longo dos últimos anos, várias promessas das categorias de base devem ter uma oportunidade ao longo da competição.

Com uma nova safra de bons jogadores formados na base do clube à disposição, o Coritiba optou por iniciar as disputas do Paranaense 2014 com uma equipe alternativa. Entre os 30 jogadores relacionados pela comissão técnica 27 são genuínos “piás do Couto”.

Um dos pratas da casa que o torcedor coxa-branca deverá se habituar logo na estréia do time no Paranaense, dia 19 de janeiro às 17 horas, contra o Metropolitano de Maringá, no interior do estado, é o meia Denner. Antes de desembarcar nas divisões de base do Alto da Glória, Denner chegou a jogar profissionalmente pelo ABC-RN. Com apenas 19 anos o jogador, inclusive, chegou a participar de dois jogos no Paranaense deste ano, mas apesar da qualidade técnica e boa movimentação não teve sequência no time.

Outro rosto novo e que pode pintar no time de cima é o lateral-esquerdo Paulo Otávio. Revelado pelo PSTC, de Londrina, o jogador teve passagem pelo Atlético antes de ser contratado pelo Alviverde. No rival, chegou a atuar em sete partidas no time profissional durante o Paranaense de 2012, sob o comando do técnico Juan Ramón Carrasco. Nas categorias de base, divide os holofotes da lateral-esquerda posição que no time profissional foi uma das mais problemáticas no ano – com Abner, principal nome do CT da Graciosa e que se recupera de uma lesão no joelho.

O grupo formado para o Estadual será observado pelo técnico do time principal, Dado Cavalcanti, e podem ser aproveitados para a sequência da temporada na equipe profissional. O próprio elenco é recheado de exemplos. O zagueiro Bonfim, o volante Marcos Paulo, os meias Luizinho, Thiago Primão e Zé Rafael, e também o atacante Anderson Costa, tiveram chances ao longo do Campeonato Brasileiro.

O próprio atacante Keirrison, nome mais forte que surgiu nos intramuros do Couto Pereira depois de Alex – e que do alto de seus 25 anos assume status de jogador mais experiente do grupo-, revela que não teve chance semelhante à que a nova geração recebe agora para estourar no profissional. “Na minha época não tive uma oportunidade conforme os meninos estão tendo hoje, de iniciar um Paranaense. Eu tive que trabalhar bastante numa Taça São Paulo (principal competição da base no país) pra poder subir (para o profissional). Então eles têm que estar preparados”, apontou o jogador, após o treinamento de ontem no CT da Graciosa.

Treinador

O técnico Zé Carlos exercerá papel fundamental dentro das pretensões do clube para o primeiro semestre de 2014. “O Coritiba é um clube grande, então a gente espera iniciar muito bem o trabalho e entregar o time em ótimas condições no Paranaense. Mas os meninos já passaram na minha mão, então a expectativa é de um bom trabalho”, comenta Zé Carlos.