Num clássico como o de domingo contra o Atlético, nada melhor do que um capitão experiente e que possa passar aos mais jovens um pouco do que sabe na hora da decisão. É isso mesmo, Jeci?

“Até mesmo pela idade, muitos deles são bastante novos, mas temos quatro, cinco mais velhos e eu me sinto sim responsável, até mesmo porque nós já vivemos várias situações no futebol. É válido você passar experiência e o bacana é que eles assimilam muito bem. Eles te ouvem, procuram colocar em prática o que os experientes estão passando e isso é muito bom”, revela o defensor, que completa 30 anos na semana que vem.

Animado, ontem ele até recebeu a visita do pai, Salvador, no CT da Graciosa, que foi dar mais força ao filho que pode levantar o caneco no domingo. Como capitão, ele terá essa incumbência e garante estar preparado para levantar o troféu diante dos torcedores.

“Tem que estar. A gente está sempre preparado e para mim, se Deus quiser, se conseguirmos esse objetivo, vai ser uma honra mais uma vez de levantar esse caneco. Mas primeiro a gente tem um jogo, e um jogo muito duro, pela frente. Primeiro a gente tem que superar o Atlético para depois pensar em levantar o caneco”, pondera.

Por isso, ele avalia esta como a semana mais importante do ano. “Semana decisiva, importante, semana que todo atleta gostaria de ter desde quando você se apresenta, faz uma pré-temporada. O objetivo é um só, que é buscar o título e essa semana foi baseada nesse nosso trabalho realizado durante a temporada”, avalia. E como está sendo?

“Um trabalho muito bom, o pessoal se doando, com um comprometimento muito bom. A expectativa é que a ansiedade não possa atrapalhar, principalmente o pessoal mais novo, já que muitos deles têm a primeira oportunidade de disputar um título”, analisa.

O que ainda não está definido é se ele atua com Pereira ou Demerson de parceiro na zaga. Jeci garante que tanto faz. “Não muda porque já vinha trabalhando com o Pereira, fazendo um grande trabalho e o Demerson entrou bem e quem o Ney optar será bem-vindo. Tenho certeza que o Coritiba vai estar bem representado na parte defensiva”, garante o zagueiro.

Assim, só falta definir o que é o clássico, Jeci? “Atletiba é coração, é alma, não tem cansaço, não tem dor, é tudo isso, é errar menos, falar pouco, trabalhar bastante”, finaliza o capitão alviverde.