O que já aconteceu ao longo do ano terá que acontecer no domingo contra o Fluminense: a torcida precisa jogar junto mais uma vez. E mais do que nunca esta é a hora, diante de um adversário direto.

Os três pontos contra os cariocas são o bastante para o Coxa se manter na primeira divisão no ano que vem, após outro vexame. Desta feita quem venceu foi o Cruzeiro, por 4 a 1, ontem no Mineirão. O resultado virou rotina na vida do clube longe do Alto da Glória, mas nem tudo está perdido.

Apesar de ter saído na frente e mostrado que poderia sustentar o resultado, o Coritiba foi perdendo forças e propiciando falhas que levaram os mineiros à goleada.

A derrota manteve o Alviverde estacionado nos 44 pontos, mas agora a zona de rebaixamento já está batendo na porta. Para se livrar dela, uma vitória basta e o retrospecto em casa é muito bom e favorece o time nessas horas.

No entanto, o Tricolor vem numa reação incrível e não será fácil derrubar os cariocas. Se não der para vencer, o Coxa começa a depender diretamente do resultado da partida Botafogo x Palmeiras.

E a conta é simples. O que o Alvinegro carioca conseguir na partida do Engenhão, o Coritiba precisa conseguir no Couto Pereira. Por ter duas vitórias a mais, nos critérios o Alviverde levará vantagem sobre o Fogão.

O Santo André ainda se mantém vivo, mas precisa de um verdadeiro milagre para não ser rebaixado. Primeiro, tem que passar pelo Internacional em Porto Alegre e, depois, torcer por derrotas de Botafogo e Coxa.

Por isso, a equação obriga o Coritiba a buscar a vitória e não depender de ninguém. Mas não será fácil. A chance de cair, que era 2,5% pulou para 16,3% e agora é de 30,7%, segundo o Chandedegol.com.br.

Se a matemática não tem ajudado muito, o futebol menos ainda. O time até mostrou mais disposição do que na derrota para o Santos, semana passada, mas ainda não foi o suficiente.

O gol de Jeci foi um alento, a torcida do Cruzeiro cobrou a própria equipe, mas Adilson Batista mudou tudo e a Raposa reagiu. Vanderlei aceitou o primeiro gol, mas a defesa entrou em parafuso e deixou Jonathan marcar o segundo.

O pênalti cometido por Cleiton em Thiago Ribeiro convertido por Wellington Paulista e o gol de Eliandro selaram a goleada, que poderia ser menor se Thiago Gentil tivesse diminuído com a chance incrível que teve na pequena área.