Foto: Valquir Aureliano

Rodrigo Mancha assume a vaga de Careca no meio e reforça a marcação.

O Coritiba lança mão do fator pijama para passar pela Ponte Preta e se manter na vice-liderança da Segundona. Com 83% de aproveitamento nas seis partidas que disputou até aqui no Couto Pereira, o Alviverde quer manter o ritmo para não sair dos trilhos no projeto de voltar à primeira divisão. Para conseguir seu intento, o Coxa precisa fazer a lição de casa até o final da competição e ainda conquistar pontos preciosos como visitante. Por isso, diante da Macaca, às 20h30 no Alto da Glória, o time entra em campo como se fosse para o ?jogo do campeonato?.

?Para ser campeão tem que ganhar esse jogo e é assim que eu trabalho. Não trabalho em cima da Ponte, do Barueri ou do Fortaleza. Todo jogo é o jogo do campeonato?, aponta o técnico René Simões. O comandante do Coritiba ainda lembrou da conversa de sábado. ?O Leandro falou: se é para ser campeão, temos que ganhar o jogo e não tem outro resultado. Então é assim que a gente trabalha, não penso neles como um concorrente direto. A gente pensa no campeonato e não importa se é Ituano ou Paulista?, destaca o treinador.

De acordo com o meia Pedro Ken, é hora do Coxa continuar fazendo diferença em casa. ?Temos que conquistar o maior número de pontos com o apoio da nossa torcida. É mais um jogo difícil, como todos vêm sendo nesse campeonato, e a gente tem que continuar pontuando o máximo para acumular gordura para o futuro?, projeta. E para acumular esses pontos, ele espera que o time repita a atuação de sábado. ?A equipe vem evoluindo bastante, vem criando um bom volume de jogo e, dentro de casa, temos que ir para cima, pressionar, e buscar a vitória a todo instante?, diz.

Nos seis primeiros jogos em casa, o Coritiba perdeu apenas para o São Caetano, o que precipitou a saída do técnico Guilherme Macuglia do comando técnico. Nas outras partidas foram cinco vitórias com 12 gols a favor e apenas cinco contra. Depois da Ponte, o time viaja para Salvador, onde enfrenta o Vitória, às 16h de sábado.

Duas novidades contra a Ponte Preta

O atacante Keirrison e o volante Rodrigo Mancha entram nos lugares de Gustavo e Careca, ambos suspensos, e são as novidades do Coritiba para a partida de hoje. ?Essas duas posições eu não tenho a menor dúvida, mas nas outras eu vou dar uma pensada ainda?, avisa o técnico René Simões. O treinador deixou no ar a possibilidade de Marlos e Túlio serem titulares. A principal preocupação dele é saber se Caíco agüenta mais uma partida em tão pouco tempo, mas como a recuperação de sábado para cá foi boa o meia não deverá ser problema.

Por isso, o que mais preocupa René é ter que fazer duas mudanças na equipe. ?Se nós não tivéssemos essas duas modificações forçadas por cartão, eu diria que o pijama-treino seria o ideal. Entrando dois jogadores, é sempre preocupante, mas a gente tem treinado muito essa situação, não será novidade porque o Keirrison e o Mancha têm jogado sempre e não vão sentir muito?, analisa. Para piorar, a chuva de ontem atrapalhou a montagem da equipe. ?O ideal seria fazer uma movimentação tática. Mas, paciência, como não podemos controlar a vida, vamos vivê-la bem?, pondera.

Com o gramado do Couto encharcado, o elenco realizou trabalhos físicos e futevôlei no estádio para manter a forma. O tempo ruim também pode tirar o atacante Ânderson Gomes do banco. O jogador está gripado e tenta se recuperar para ficar à disposição de René. De qualquer forma, Hugo foi chamado e está concentrado.

CAMPEONATO BRASILEIRO – SÉRIE B

14.ª Rodada

Coritiba x Ponte Preta

Coritiba

Edson Bastos; Henrique, Ânderson Lima e Leandro; Pedro Ken, Rodrigo Mancha, Caíco, Diogo e Douglas Silva; Henrique Dias e Keirrison.

Técnico: René Simões.

Ponte Preta

Dênis; Ânderson, Émerson e João Paulo; Júlio César, Pingo, João Marcos, Ricardo Conceição, Éverton e André; Roger.

Técnico: Nelsinho Batista.

Local: Couto Pereira, Curitiba

Horário: 20h30

Árbitro: Fabrício Nevez Corrêa (RS)

Assistentes: José Otávio Dias Bittencourt (RS) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)

Ingressos: Arquibancada, R$ 20,00; cadeira da Mauá e setor visitante, R$ 30,00 e social superior, R$ 100,00. Estudantes, idosos, mulheres e crianças pagam meia.