coxa181204.jpg

O jovem Laércio será o titular
do ataque do Coritiba.

O Coritiba vai enfrentar o Criciúma amanhã (16h, no Heriberto Hulse) com sua base para 2005. Dos jogadores que estarão em campo, apenas Reginaldo Nascimento não estará no clube na próxima temporada – os outros dez fazem parte dos planos de Antônio Lopes, restando Ataliba e Alemão para renovar contrato. E ele formará com Laércio o ataque coxa, bem diferente do que se pensou no início deste ano.

Eles são os "sucessores" de Luís Mário, Aristizábal e Tuta, que chegaram como esperança e saíram como decepção, cada um a seu modo. Agora, antes que os reforços cheguem (Marcel, Renaldo, Galvão e o ex-paranista Caio seriam nomes para o ataque), os garotos, ambos com 20 anos, tentam emplacar como titulares na próxima temporada – Alemão, além disso, precisa mostrar o porquê do interesse por sua renovação.

Se no ataque os titulares precisam "mostrar serviço", a turma da defesa está mais tranqüila. Douglas, Miranda, Flávio, Rafinha, Ricardo, Roberto Brum e Luís Carlos Capixaba têm contrato até o final de 2005 (ou até mais tempo), e por isso formam a base do time alviverde para a próxima temporada. Reginaldo Nascimento está livre e Ataliba espera contatos para renovar -ou não – seu compromisso com o Coxa.

O time foi confirmado ainda na quinta pelo técnico Antônio Lopes, que preferiu deixar Guilherme no banco e André Nunes fora do grupo que foi a Criciúma. "São dois jogadores rápidos, e acredito que a equipe fique melhor com esta formação. Vamos precisar muito dos contra-ataques", explica o Delegado, que imagina um Criciúma ultra-ofensivo jogando em casa. "Eles têm a necessidade do resultado, e vão partir com tudo", acredita.

Ao mesmo tempo em que aposta na velocidade, Lopes trabalha com a mesma formatação tática das últimas três partidas – até porque, como nos jogos contra Flamengo e Goiás, não poderá contar com Fernando e Adriano. O lateral segue com dores na coxa, enquanto o goleiro foi vetado por ainda estar com uma lesão no tríceps. "Até daria para jogar, mas é melhor evitar para não atrapalhar a preparação da próxima temporada", concorda Fernando.

A idéia tática será, portanto, a mesma das três partidas invictas. "Não há por que mudar, pois esta formação deu certo", comenta Antônio Lopes, que exige boa atuação e bom resultado. "Nós temos que jogar pela honra do clube e pela dignidade profissional de cada atleta. Se conseguirmos a vitória, vamos atingir uma colocação importante. Claro que gostaríamos de chegar mais longe, mas é uma campanha bastante razoável", finaliza o Delegado.

Adeus melancólico

Reginaldo Nascimento, por mais que tente manter a serenidade, está chateado com sua situação no Coritiba. Sem receber qualquer tipo de informação dos dirigentes, o capitão do time em 2004 manifesta claramente sua tristeza, mas garante que não guarda mágoas do Coritiba. Ao mesmo tempo, confirma que já está conversando com outros clubes, sem admitir quais seriam os interessados. Acompanhe os principais trechos da entrevista concedida pelo zagueiro e volante, há sete anos no Alto da Glória.

Despedida: "Tudo indica que será (contra o Criciúma). Mas estou encarando com responsabilidade, da mesma forma que sempre fiz no Coritiba, desde o primeiro jogo, contra a Portuguesa, em 97. Deixo aqui grandes amigos, e a vida segue".

Mágoas: "De maneira alguma vou guardar rancor do clube, que foi o que me abriu portas para eu chegar ao ponto que cheguei (…) Levo muito mais alegrias que tristezas daqui".

Desencontro de informações: "É isto que me deixa triste. Se saiu a informação (da dispensa antecipada dele) em um site ligado ao Coritiba, é porque foi dito por pessoas que têm voz ativa no clube. É o que me deixa realmente chateado. Eu sou um cara franco, e quando tive oportunidade para reivindicar alguma coisa, eu fui falar com os dirigentes. Talvez por isso tenha havido um desgaste. Mas tudo bem, isto só serviu para adiantar algo que eu imaginava que ia acontecer".