Orlando Kissner / GPP
Orlando Kissner / GPP

Rodrigo Mancha volta a ganhar uma
vaga no meio-de-campo coxa.

Não é a primeira vez que o Coritiba encara esta situação no campeonato brasileiro. Após uma vitória consistente (apesar da atuação apenas regular), o time busca o ?embalo? que não veio no primeiro turno.

Um resultado positivo pode colocar o time no caminho das competições internacionais, além de acabar de vez com o imobilismo alviverde na classificação. Só que o jogo é fora de casa, às 18h10, na Vila Belmiro, contra o Santos, principal algoz do time nas últimas temporadas.

Desde que o brasileiro passou a ser disputado em pontos corridos, com turno e returno, em 2003, o Coxa não sabe o que é vencer o Peixe. E nem mesmo empatar. Foram cinco partidas e cinco vitórias do alvinegro paulista, chegando a ?requintes de crueldade? no 4×0 aplicado em pleno Couto Pereira, no segundo turno do Brasileiro-03 (em 25 de outubro). Foi uma das mais festejadas atuações de Robinho com a camisa do Santos, tanto que até hoje lances daquela partida são usados em clipes sobre o hoje jogador do Real Madrid. A única outra equipe invicta contra o alviverde nestes brasileiros é o Internacional, que venceu três partidas e empatou duas.

E o período de jejum do Coritiba é exatamente o período de afirmação do Santos como principal time do País, tendo Robinho e Diego (hoje no Porto) como principais nomes da equipe, que foi treinada no período por Emerson Leão e Vanderlei Luxemburgo, entre outros. A última vitória alviverde aconteceu no brasileiro de 2002 (4×2, em 11 de setembro, no Alto da Glória), quando o Peixe ainda estava em ?formação?. Nos cinco jogos que se seguiram, o Cori marcou apenas cinco gols e levou quinze.

São, portanto, quase três anos sem vencer o Santos. E mesmo que o adversário desta noite esteja bastante desfalcado, ninguém no Alto da Glória deixa de respeitar o atual campeão brasileiro. ?Se eles não vão ter alguns jogadores, eles passaram algumas partidas sem o Robinho, enquanto ele negociava com o Real Madrid. E neste período eles continuaram vencendo. Vai ser um jogo muito complicado?, comenta o técnico Cuca.

O treinador pretende ver em campo um Coritiba aguerrido e, ao mesmo tempo, ousado, sem ter medo de buscar os resultados. ?Nós temos condições de vencer o jogo, desde que a gente consiga colocar em campo todas as nossas qualidades?, explica. Cuca sente o bom momento do grupo, principalmente no lado psicológico a vitória sobre o Fortaleza aumentou a confiança do grupo, que fora submetido a um ?tratamento de choque? pela comissão técnica, que exacerbou a importância da entrega dos atletas em campo.

E é exatamente isto que não pode faltar para o Cori na Vila Belmiro. ?Foi assim que conquistamos nossos resultados. E está todo mundo pensando da mesma maneira. Vamos entrar com tudo para conseguir a vitória?, afirma o zagueiro Vagner. ?Estamos pensando em cada jogo como se fosse uma decisão?, concorda outro zagueiro, Allan. ?Tem que ser como se fôssemos lutar pelo prato de comida para a nossa família?, finaliza o goleiro Douglas.

Marcação é a prioridade coxa na Vila

Hoje, mais que nunca, Cuca pretende ver o Coritiba pragmático que já deu certo fora de casa. Se as vitórias no Couto Pereira são consideradas obrigação pela comissão técnica e pelos próprios jogadores, as partidas longe dos domínios alviverdes podem ser o diferencial entre uma campanha mediana e o sonho de chegar novamente na Copa Libertadores. Pensando nisto, o técnico definirá o onze que enfrentará o Santos na Vila Belmiro.

O treinador coxa sabe que não pode fugir da característica do time, que é a de pensar inicialmente na marcação. ?No momento em que estamos bem postados lá atrás, o resto do time tem mais confiança?, explica o zagueiro Vagner, que voltará a formar o trio defensivo com Flávio e Allan – todos bastante elogiados por Cuca. Flávio, por sinal, segue ?autorizado? a partir com a bola dominada. ?Ele sabe fazer muito bem esse papel do líbero?, justifica.

Com a segurança da defesa, Cuca pode se preocupar com os problemas que tem – as ausências de Reginaldo Nascimento e Caio. Para o lugar do capitão, já foi escolhido Rodrigo Mancha, que retorna ao time depois de ficar no banco na partida de quinta. Na frente, a posição está aberta. Dois jogadores disputam a vaga, e cada um proporcionaria um ?troca-troca? de posições.

O favorito é Alcimar, que seria o jogador a mudar menos o sistema coxa. Isto porque ele faria a função de Caio no ataque, mas teria mais dificuldades na marcação. A segunda opção é a escalação de James, que apesar de ser a troca que geraria mais modificações no time, teria a vantagem de escalar todos nas posições de origem. Com ele na direita, Jackson voltaria ao meio-campo, formando com Marquinhos e Capixaba um esquema de muita movimentação e de aproximação constante a Renaldo. A definição do time só sairá momentos antes do jogo. (CT)

O primeiro jogo sem Robinho

José Rodrigues

Santos (AE) – Mesmo depois de ter acertado sua transferência para o Real Madrid, o atacante Robinho cumpriu sua última missão na Vila Belmiro: recolocou o time no topo da classificação, ao lado do Corinthians, tendo vencido quatro jogos e empatados três. Em sua ausência, a equipe esteve irregular e o temor da torcida é que esse comportamento se repita a partir de hoje, quando o Santos enfrenta o Coritiba na Vila Belmiro.

Para complicar a vida do treinador, seu time jogará desfalcado de outros cinco atletas: Giovanni, Bóvio, Zé Elias (suspensos), Ávalos e Diego (contundidos). Sem contar com os outros que estão há mais tempo no departamento médico, como Paulo César, Henao, Frontini e outros.

Opções

Se Gallo perde seis jogadores para o jogo deste domingo contra o Coritiba, poderá contar com a volta do volante Fabinho e do atacante Basílio, que foram liberados pelo médico Carlos Braga, depois de terem sido submetidos a exames que constataram a cura das lesões que haviam afastado os dois jogadores da equipe.

Fabinho tem volta garantida, formando a dupla de volantes com Elton e suprindo a ausência de outros dois volantes que cumprem suspensão automática: Zé Elias e Bóvio. Flávio volta à lateral-direita, enquanto Rogério completará a dupla de zaga ao lado de Luís Alberto. O companheiro de Ricardinho na armação de jogadas de ataque será Léo Lima e, no ataque, há uma dúvida: Gallo irá escolher os dois atacantes entre Douglas, Geílson e Basílio.

A ordem de Gallo é vencer o Coritiba para tentar assumir a liderança, no momento em que está empatado em pontos com o Corinthians. ?O Santos sempre esteve entre os cinco primeiros e o quinto colocado hoje está muito próximo da gente, não tem muita diferença. O importante é se manter no topo, conscientes de que não conquistamos nada ainda?, completou o treinador.?

CAMPEONATO BRASILEIRO
SANTOS X CORITIBA

Santos: Saulo; Flávio, Rogério, Luís Alberto e Wendel; Fabinho, Elton, Ricardinho e Léo Lima; Douglas e Geílson (Basílio). Técnico: Gallo

Coritiba: Douglas; Vagner, Flávio e Allan; Jackson, Rodrigo Mancha, Luís Carlos Capixaba, Marquinhos e Ricardinho; Alcimar (James) e Renaldo. Técnico: Cuca

Súmula
Local: Vila Belmiro (Santos-SP)
Horário: 18h10
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (FIFA-RS)
Assistentes: Altemir Hausmann (FIFA-RS) e José Javel Silveira (RS)