Foto: Valquir Aureliano

Para o capitão Ânderson Lima, o posicionamento é um dos segredos, além do trabalho individualizado com o auxiliar Alfredo Montesso.

No gol, Edson Bastos, na zaga Athos, Porthos e Aramis, quer dizer, Henrique, Ânderson Lima e Jéci. A confusão seria gratuita se o técnico René Simões não considerasse o trio defensivo do Coritiba como seus ?três mosqueteiros?. E ele tem razão. Apesar de não usar capa e espada, a linha de zaga alviverde comanda o maior paredão da Segundona. Nos 19 primeiros jogos da competição, o Coxa tomou 20 gols, uma média de apenas 1,05 gol por partida. Claro que o time inteiro contribuiu, mas a aplicação nos treinamentos e o acerto do líbero vem mostrando resultado.

?Um bom posicionamento é fundamental e a parte tática a gente tem aperfeiçoado individualmente com o professor Alfredo (Montesso, auxiliar técnico) e isso tem feito a diferença. E o bom é que ele faz com todos e quem entra sabe o que tem que ser feito para manter esse sucesso?, revela Lima. Segundo o lateral-direito/líbero, o segredo vem desses treinamentos específicos. ?O Alfredo, em alguns momentos, fica com a parte lá de trás e nos cobra bastante o posicionamento para que a gente possa manter o trio ali e possa cobrir um ao outro?, destaca.

Mas não é só a defesa, na visão de Henrique. ?É o time que está jogando e ajudando a defesa com dedicação e entrega para termos esses resultados?, aponta o defensor. Para ele, o entrosamento ajuda, mas essa integração entre titulares e reservas faz a diferença. ?O René sempre mistura os jogadores nos coletivos e isso não tem afetado o rendimento. A gente conhece todo mundo e para nós não faz diferença quando tem mudança. Entra uma peça, sai outra e quem entra está conseguindo fazer o papel de quem sai?, analisa Henrique.

Para Montesso, um dos segredos tem sido a dedicação dos jogadores na aplicação dos trabalhos. ?A grande virtude é fazer os jogadores entenderem que a ação de defender tem que ser coletiva. Tudo é organizado para que cada um saiba onde se posicionar em cada situação?, aponta o auxiliar de René. De acordo com ele, a orientação dada a todos acaba garantindo a qualidade com titulares e reservas. ?A gente acredita que é necessário ter todo o grupo no mesmo padrão, por isso temos que treinar todo mundo?, finaliza Montesso.

Torcida faz lista de reforços

O desafio feito ao torcedor Leandro Requena pelo coordenador de futebol João Carlos Vialle tem seus primeiros resultados. Instigado a procurar possíveis reforços para o Coritiba, Requena se uniu aos Coxanautas e à Império Alviverde para vasculhar o mercado em busca de jogadores e nove nomes foram encaminhados à diretoria alviverde. ?Não são nem jogadores de nível de seleção como o Vialle prometeu, mas todos com capacidade para ser titular do Coxa?, avisa o torcedor, que participa do programa Tribuna nos Esportes, do GPP.

Por enquanto, ele não pode revelar quem são esses possíveis reforços. ?São jogadores de clubes da primeira divisão, mas não estão jogando por estarem na reserva, afastados ou em atrito com o treinador?, destaca. De acordo com ele, os torcedores tomaram cuidado em apontar nomes dentro da realidade do clube. ?Alguns propuseram a contratação de atletas como Júnior (São Paulo), Amoroso (ex-Grêmio) e outros, que são de seleção, mas descartamos devido ao alto salário?, revelou Requena.

E quem seriam os nomes? ?Não podemos revelar agora porque se não os rivais vão e contratam?, prevê. Apesar da varredura em busca dos reforços, o dirigente não quis conversa com o grupo de torcedores. Para Vialle, a torcida tem que trazer o jogador com a negociação feita com o clube atual e salário acertado com o procurador de cada um. ?Não queremos nos envolver nesse tipo de coisa para não nos acusarem de estarmos levando algum para trazer esse ou aquele?, justificou Requena.

Assim, a lista foi encaminhada ao gerente de marketing, Osvaldo Dietrich, que irá passar os nomes para a diretoria estudar. ?Todos os nove nomes foram aprovados por unanimidade?, acrescentou o torcedor.