Valquir Aureliano / O Estado
Luís Mário, sem ritmo, não conseguiu
se livar dos zagueiros do Galo.

Na fria noite curitibana, quem entrou numa “gelada” foi o Coritiba. Pragmático como o seu treinador, o Atlético Mineiro levou a melhor e conseguiu sua primeira vitória no Brasileirão (1×0), ontem, no Couto Pereira. O jogo foi sonolento, repleto de passes errados e com muitas faltas. As melhores oportunidades foram em lances de bola parada e no duelo entre Jucemar e Gaúcho, melhor para o zagueiro mineiro.

Nem mesmo a presença de artilheiros de renome – como Tuta e Alex Mineiro – deram “vida” ao jogo. A frustração coxa foi maior, pois todas as apostas eram feitas na volta do trio Adriano, Luís Mário e Tuta. Os três zagueiros do Galo dominaram as ações com relativa facilidade e o goleiro Eduardo só precisou trabalhar em arremates de fora da área. Foi a segunda derrota do Coritiba no Campeonato Brasileiro, mais uma vez dentro de casa. A ineficácia do setor de criação continua sendo o ponto negativo do time.

O resultado garantiu o emprego de Paulo Bonamigo, que vinha sendo muito cobrado pelo desempenho instável do Atlético Mineiro. Com a derrota, o Coritiba cai para a 17.ª colocação. Os problemas para o Coritiba começaram antes mesmo da bola rolar. Os jogadores foram obrigados a trocar de uniforme no gramado, pois as camisas eram muito parecidas. Foram dez minutos de “conversações” e o frio “travou” os jogadores. Foram necessários mais de quarenta minutos para que os “motores” fossem aquecidos.

A rigor, o Coritiba só esboçou uma pressão no final do primeiro tempo. Aí, a sorte pendeu para o Atlético Mineiro. Eduardo espalmou com estilo a finalização de Capixaba. Na cobrança do escanteio, Tuta acertou o travessão com o goleiro “batido”. Na seqüência, cobrando falta, Jucemar também “carimbou” a trave. Antônio Lopes até tentou dar mais ritmo ao time, com a entrada de Rodrigo Batatinha, mas, no segundo tempo, o time “desandou”.

Gaúcho, logo no começo da fase final, mandou uma “bomba”. A bola tocou na grama e traiu o goleiro Fernando. Foi o lance capital de um jogo de qualidade técnica sofrível. O Coritiba esperava pelas faltas para arriscar tudo nas finalizações de Jucemar. O lateral quase marcou o seu, aos 23 minutos. As mudanças pouco alteraram a dinâmica do jogo, que se arrastou até os 50 minutos, mas sem qualquer alento para o time de Antônio Lopes, amarrado na teia armada por Bonamigo.

CAMPEONATO BRASILEIRO
7ª RODADA
CORITIBA 0x1 ATLÉTICO-MG

CORITIBA: Fernando; Jucemar, Danilo (Vágner), Miranda e Adriano; Márcio Egídio, Ataliba (Adílson Popó), Luís Carlos Capixaba e Igor (Rodrigo Batatinha); Luís Mário e Tuta. Técnico: Antônio Lopes.

ATLÉTICO-MG: Eduardo; André Luiz, Gaúcho e Luiz Alberto; Alessandro, Zé Luís, Márcio Araújo, Renato (Tucho) e Rubens Cardoso; Alex Mineiro (Djair) e Rafael Lopes (Quirino). Técnico: Paulo Bonamigo.

SÚMULA
Local:
Couto Pereira (Curitiba).
Árbitro: Luís Antônio Silva Santos (RJ).
Assistentes: Marcos Venícius Barros Sá Freire (RJ) e Jorge Luiz Campos Roxo (RJ).
Renda: R$ 90.257,00.
Público: 8.867 pagantes (10.179)
Gol: Gaúcho a 7? do 2º tempo.
Cartões amarelos: Jucemar, Vágner, Adriano, Márcio Egídio, Ataliba, Igor e Luís Mário (Coritiba). Eduardo, Luiz Alberto, André Luiz, Alessandro e Renato (Atlético).